Após queda de bimotor, empresa segue com voos cancelados

Noar Linhas Aéreas paralisa operações nesta quinta para reorganizar malha e auxiliar investigações. iG revelou que 1 em cada 10 aviões do modelo já sofreu acidente

iG São Paulo |

A empresa Noar Linhas Aéreas, companhia responsável pelo bimotor que caiu no Recife , divulgou que os quatro voos programados para esta quinta-feira seguem cancelados. Segundo assessoria, a empresa está inoperante para "reorganizar a malha aérea e disponibilizar a aeronave para a Aeronáutica". A companhia atua há um ano e operava na região com duas aeronaves. O acidente, que ainda não possui causas esclarecidas, matou 16 pessoas

A previsão é que a Noar retome as operações no Aeroporto Internacional do Recife a partir de sexta-feira (15) - o que ainda será confirmado ao final do dia pela assessoria de imprensa. Na quarta (13), no dia do acidente, a empresa aérea informou, durante coletiva, que o avião que caiu passou por manutenção de rotina no último final de semana, operava há menos de um ano e que era seguro.

O iG mostrou na tarde desta quarta-feira que um em cada dez aviões bimotor LET-410, fabricados pela Companhia Let Aircraft, da República Tcheca , já se envolveu com acidentes. Este é o modelo usado pela Noar. Desde 1981, há pelo menos um acidente por ano com uma aeronave semelhante à usada pela Noar.

Leia também: Piloto que escapou do acidente diz que avião estava funcionando bem

O diretor de operações da empresa, comandante Marco Sendin, contestou as estatísticas e declarou: “Colocaria minha família para viajar nele” . As estatísticas foram produzidas pela consultoria Aviation Safety Network , uma das principais referências mundiais em dados sobre acidentes aéreos.

Segundo o diretor comercial da empresa, Giovanne Farias, a aeronave foi escolhida por critérios de viabilidade econômica e confiabilidade, já que o modelo é certificado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Ainda segundo Farias, foram feitos ajustes e peças foram trocadas no último final de semana. “Nossas aeronaves voam em perfeitas condições, seguimos rigorosamente toda a legislação brasileira”, disse ele, que abriu sua entrevista lamentando a morte das 16 vítimas do voo.

O motor

Farias afirmou que a manutenção do motor foi feita pela fabricante e que a peça está em boas condições. Uma das hipóteses para a queda do avião é perda de potência do motor do avião .

O presidente da empresa, Djalma Cintra Júnior, também disse que não havia relatos de pilotos da empresa quanto à perda de potência de motor da aeronave, relatado pelo irmão do copiloto , em entrevista a uma rádio do Recife.

A empresa disse ainda que o voo partiu abaixo do peso máximo permitido pela Anac. Segundo ele, a aeronave deixou o Aeroporto Internacional do Recife / Guararapes-Gilberto Freyre com 5.559 quilos. O máximo é de 6.000 quilos.

Farias também informou que a caixa-preta do avião e os destroços estão sob a custódia da Aeronáutica e que o Instituto Médico Legal (IML) já estava recolhendo material dos familiares com o intuito de fazer o exame de DNA para reconhecimento dos corpos.

*com reportagens de Pierre Lucena, especial para o iG no Recife

    Leia tudo sobre: noarlet aircraftacidente aéreorecife

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG