Justiça de PE realiza audiência de trio acusado de comer e vender carne humana

Nove testemunhas de acusação devem ser ouvidas hoje. Casal e amante foram presos em abril após atos de canibalismo e venda de empadas com 'pedacinhos' de carne das vítimas

iG São Paulo |

O Tribunal de Justiça de Pernambuco realiza nesta quinta-feira, a partir das 14h, a primeira audiência do processo de acusação das três pessoas suspeitas de matar, comer e vender a carne de três mulheres, em Olinda e na região de Garunhuns, cidade do interior do Estado. Jorge Beltrão Negromonte, de 51 anos, Isabel Torreão, de 51, e Bruna Oliveira, de 25,  foram detidos em abril deste ano

A audiência de instrução será realizada pela juíza Maria Segunda Gomes de Lima, da Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Olinda. Ela deverá ouvir nove testemunhas de acusação indicadas pelo Ministério Público. De acordo com a magistrada, os depoimentos servirão para reconstituir os fatos e auxiliar na compreensão do caso.

Relembre o caso:  Trio é preso acusado de matar, comer e vender carne humana

AE
Local onde a polícia encontrou os corpos esquartejados de duas vítimas, em Pernambuco

A Promotoria arrolou 20 pessoas, mas a vara apenas conseguiu localizar as nove que serão ouvidas nesta quinta. A audiência ocorrerá no Fórum Lourenço José Ribeiro, localizado na avenida Pan Nordestina. Nesta quinta-feira, será julgada a morte de Jéssica Camila da Silva Pereira, morta em 2008 em Rio Doce, região de Olinda. No entando, o trio ainda responderá pela morte de outras duas mulheres em Garunhuns.

Mortes

A Polícia Civil de Garanhuns prendeu em abril deste ano o trio acusado matar, esquartejar e comer partes dos corpos de pelo menos três mulheres. Segundo os agentes do 2º DP, responsável pela prisão, as investigações começaram após o desaparecimento de uma jovem chamada Gisele, em fevereiro de 2007.

ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM/AE
Páginas com passagens bíblicas foram encontradas na casa do trio

As vítimas eram atraídas por uma falsa proposta de emprego de babá já que o casal, Jorge e Isabel, criava uma menina de 5 anos. Ao chegar ao local, a candidata era abordada e morta pelo grupo. Os acusados revelaram ainda que a criança é filha da vítima Jéssica Camila. A terceira acusada, Bruna Cristina era amante de Jorge e ajudava nas atividades da casa.

Mais:  Restos mortais de vítimas de canibalismo são enterrados em Pernambuco

Durante depoimento realizado separadamente na delegacia, Isabel confessou que eles eram membros de uma seita e realizavam constantes atos de "purificação da alma". Isabel explicou ainda que a vítima era morta e logo tinha a pele arracanda por Jorge, que chegou a registrar os assassinatos em um livro de cordel chamado "Revelações de um esquizofrênico".

Ela era conhecida na cidade por vender salgados e empadas. Aos investigadores, chegou a assumir que "só colocava alguns pedacinhos" de carne humana nas empadas e as vendia no pronto-socorro e órgãos públicos da região - assim como na própria delegacia. 

Bruna também tinha um diário e relatava as mortes como "missões realizadas com sucesso" no processo de purificação da cidade. Entre os três, Bruna seria a que mais gostava de comer a carne das vítimas. 

    Leia tudo sobre: canibalismopernambucoassassinatoseitamagia negra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG