Após um ano, queda de bimotor no Recife segue sem laudo final

Acidente deixou 16 mortos em julho do ano passado próximo ao Aeroporto dos Guararapes. Aeronave caiu após falha no motor esquerdo

Agência Estado |

Agência Estado

Um ano após a queda, segue sem um laudo conclusivo o acidente com o LT-410 da empresa Noar, que caiu a 100 metros da Praia de Boa Viagem, na zona sul do Recife, logo após ter decolado do Aeroporto dos Guararapes, com destino ao Rio Grande do Norte. O caso ocorreu no dia 13 de julho do ano passado, matando 16 pessoas - os 2 tripulantes e os 14 passageiros.

O caso:  Após decolagem, bimotor cai em terreno no Recife e mata 16

AE
Bimotor caiu 30 segundos após decolagem do Aeroporto dos Guararapes, no Recife


Segundo o coronel de Aeronáutica Fernando Camargo, do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos (Cenipa), o desempenho dos pilotos e as divergências entre o manual de voo, o programa de treinamento e o check-list - todos emitidos pelo fabricante da aeronave - são alguns dos elementos que podem ter contribuído para o acidente.

"Com o apoio do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), estamos fazendo um estudo teórico para tentar estimar a participação de cada um dos elementos, o que contribuiu ou não para o acidente."

Leia matérias sobre o acidente:

Irmão do copiloto diz que avião já havia apresentado problemas
Terreno no Recife já foi palco de outros acidentes aéreos
Diretor de construtora que morreu em acidente viajava a trabalho
Piloto evitou tragédia maior, diz comandante dos Bombeiros

A fratura da palheta 27 do motor esquerdo determinou a parada do motor, cerca de 30 segundos depois da decolagem. Das 55 palhetas do disco do compressor do motor esquerdo, 4 eram novas e 51 foram reutilizadas, incluindo a 27 - que estava na metade da vida útil.

Mesmo depois da pane, a aeronave continuou subindo, com um motor só, demonstrando que não havia problemas com o outro motor. A incógnita é a razão de os tripulantes não conseguirem retornar com a aeronave até o Aeroporto dos Guararapes.

Veja página especial do iG sobre desastres aéreos

"A fratura da palheta desencadeou o problema, mas foi somente um dos eventos que levaram ao acidente", observou o chefe da investigação. Os problemas de manutenção da Noar já estavam corrigidos e houve revisão da aeronave. A manutenção do motor cabia à GE. O conteúdo da caixa-preta não será divulgado. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG