PDT deixa bloquinho e apoia Temer na Câmara e Tião no Senado

BRASÍLIA - O PDT se reuniu nesta quarta-feira em Brasília e decidiu apoiar as candidaturas do deputado Michel Temer (PMDB-SP) para presidência da Câmara dos Deputados e de Tião Vianna (PT-AC), para a presidência do Senado. Com esta ação, o partido também deixa o chamado bloquinho, que reunia seis partidos da base governista e apoia a candidatura do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) para a presidência da Câmara.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |



Durante a reunião, os membros do PDT avaliaram que a eleição de dois candidatos do PMD, no caso Michel Temer na Câmara e José Sarney (AP) no Senado, desestabilizaria a correlação de forças no Congresso Nacional. Apesar do presidente da legenda, deputado Vieira da Cunha (RS) ter declarado o apoio efetivo de seu partido a Temer, o deputado Paulinho da Força (PDT-SP), ponderou que, no dia 2 de fevereiro, quando acontecem as eleições no Congresso, tal posição ainda pode ser revista.

No caso de uma vitória do Sarney no Senado, a posição dos deputados do PDT em relação a Temer, pode ser alterada, uma vez que ninguém quer o PMDB comandando as duas Casas, disse Paulinho da Força.

Fora as especulações conjunturais, o deputado Michel Temer, que esteve presente nesta tarde no PDT, expressou satisfação com os novos e possíveis 25 votos. Esse apoio é mais que decisivo, é definitivo e mostra que não candidato de A, B ou C, mas sim um candidato da instituição, disse.

Tião Vianna, por sua vez, se mostrou entusiasmado com o apoio da sigla e disse que trabalha agora num cenário em que, fora o PSDB, ele contaria com 36 votos e 37 para Sarney. As conversas estão andando, estou com otimismo realista, disse.

Críticas a Sarney

Na reunião do PDT, o governador do Maranhão, Jackson Lago, fez duras críticas a uma possível vitória do senador José Sarney na corrida à presidência do Senado. De acordo com ele, se Sarney sair vitorioso significa que o presidente do partido da Ditadura continua forte nos tempos atuais, porque seria um retrocesso.

Leia mais sobre : presidência do Senado 

    Leia tudo sobre: eleições no senado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG