BRASÍLIA, 7 de abril (Reuters) - O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, disse nesta quarta-feira que o governo está decidido a atuar fortemente contra a inflação. A ordem do governo é bater bem na inflação, não queremos de forma alguma que a inflação seja um problema, afirmou o ministro durante teleconferência com a imprensa estrangeira para discutir oportunidades de investimento no Programa de Aceleração do Crescimento 2.

Segundo Paulo Bernardo, a inflação em janeiro e fevereiro veio acima do esperado pelo governo, em parte por conta de problemas climáticos, como enchentes. A expectativa para os próximos meses, contudo, é de "índices mais comportados".

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulou alta de 1,54 por cento no primeiro bimestre do ano. A expectativa de analistas é que em março o indicador aponte alta de 0,5 por cento, segundo sondagem da Reuters.

O Banco Central prevê que o IPCA fechará o ano em 5,2 por cento, acima do centro da meta de inflação, de 4,5 por cento.

Paulo Bernardo disse, ainda, que a recuperação do crescimento econômico este ano impõe a necessidade de elevação dos investimentos.

"Temos a expectativa com o PAC de, através dos investimentos públicos, estimular também os investimentos privados", afirmou o ministro.

Ele acrescentou que em 2009, o investimento público, incluindo recursos orçamentários e de estatais, superou 4 por cento do Produto Interno Bruto.

Os investimentos públicos e privados no Programa de Aceleração do Crescimento entre 2007 e 2009 ultrapassaram 400 bilhões de reais.

TRAGÉDIA NO RIO

As fortes enchentes ocorridas no Rio de Janeiro esta semana não colocarão em xeque a realização da Copa de 2014 ou das Olimpíadas de 2016, afirmou Paulo Bernardo.

Ele disse que o governo fará todas as obras de infraestrutura necessárias aos eventos, incluindo obras de contenção de encostas.

"Não temos nenhuma preocupação maior com esse tipo de evento durante a Copa ou durante as Olimpíadas porque elas ocorrem fora do período de chuvas", acrescentou.

Segundo o ministro, ainda não há uma estimativa oficial do impacto que as enchentes, que deixaram pelo menos 100 mortos, terá sobre o crescimento econômico da cidade. Não há, tampouco, um cálculo dos gastos federais que serão necessários para contribuir com ações de emergência.

(Reportagem de Isabel Versiani)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.