Paulinho recebeu dinheiro desviado do BNDES, diz PF

SÃO PAULO - Resta inequívoca a comprovação do efetivo recebimento de parcelas dos desvios de financiamentos do BNDES pelo deputado Paulo Pereira da Silva, quantias que foram pagas nos exatos valores previstos pela quadrilha, afirma a Polícia Federal em documento de 14 páginas encaminhado em julho à Procuradoria da República.

Agência Estado |

O relatório, subscrito pelo delegado Rodrigo Levin, aborda exclusivamente a suposta ligação de Paulinho da Força (PDT-SP) com o esquema de desvio de verbas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social que a Operação Santa Tereza desvendou em abril. Paulinho vai depor hoje na PF.

"Além disso, resta configurado o crime de lavagem de dinheiro por parte de Paulo Pereira, que utilizou pessoas jurídicas com as quais tem ligações para depositar suas quantias desviadas, como forma de ocultar e dissimular a origem e o recebimento dos valores", assinala o documento, com base em rastreamento bancário.

A pesquisa pegou contas do empresário Marcos Mantovani e de duas ONGs - Meu Guri, presidida por Elza Pereira, mulher de Paulinho, e Instituto Brasileiro Deppsch Trabalho, que receberam depósitos do lobista João Pedro de Moura, ex-assessor do deputado. O delegado juntou microfilmagens de cheques e do extrato bancário de Mantovani. Fez cruzamento de telefonemas grampeados de integrantes da organização.

"O objetivo deste relatório é demonstrar que, após a obtenção das informações bancárias, o deputado Paulo Pereira foi efetivamente beneficiário de valores desviados de financiamentos do BNDES à prefeitura de Praia Grande e às Lojas Marisa."

ONG

O levantamento, diz a PF, "comprova a co-autoria do delito e desconfirma a versão de que seu nome (Paulinho)estaria sendo utilizado indevidamente". Um repasse foi de R$ 82,1 mil, em cheque. "O fato relevante é que o cheque foi efetivamente compensado na conta de uma ONG que funciona no mesmo prédio da Força Sindical, no dia 28 de março. O destinatário final era Paulo Pereira, tendo a ONG sido utilizada no processo de lavagem do dinheiro."

"A PF diz muito e prova pouco", reagiu Leônidas Scholz, defensor de Paulinho. Carlos Kauffmann, que defende Mantovani, afirma que o empresário jamais recebeu dinheiro do BNDES. Tales Castelo Branco, advogado de Moura, sustenta que ele não participou de desvios. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: Paulinho

    Leia tudo sobre: paulinho da força

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG