BRASÍLIA - O deputado federal Paulo Pereira, o Paulinho da Força, investigado de fazer parte de esquema de corrupção envolvendo o BNDES, negou que tenha qualquer tipo de participação no esquema. Afirmando inocência, ele disse em plenário que entregará seus sigilos telefônico, bancário e fiscal para o procurador geral da República Antonio Fernando de Souza para que todas as investigações sejam feitas. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/06/pdt_decide_apoiar_paulinho_ate_que_hajam_provas_contra_deputado_1300370.html target=_topPDT diz que apóia Paulinho até que hajam provas

"Vou pedir que investiguem minha vida e que se tiver alguma coisa me punam, pois sei que não há nada", disse.

Sobre o relatório da Polícia Federal, que apontou seu suposto envolvimento no esquema, Paulinho alegou ter conversado com advogados que lhe garantiram não haver nada que o incrimine.

"Eu virei suspeito, virei criminoso. Não tenho nada a ver com isso', disse. "Primeiro te acusam para depois você provar que é inocente", completou.

O deputado ainda alegou estar sendo perseguido por uma "elite que não gosta de trabalhador". Segundo ele, sua atuação na Câmara dos Deputados, em defesa dos trabalhadores, seria o motivo para ele estar "apanhando".

Paulinho também questionou o motivo pelo qual a PF não prendeu João Pedro de Moura, que teria entrado em seu gabinete e, segundo a Polícia, supostamente portava uma mochila cheia de dinheiro no Congresso Nacional.

Em seu discurso de defesa, Paulinho afirmou que apesar das acusações vai continuar "na luta em defesa dos trabalhadores".

Dez prefeituras envolvidas

Nesta segunda-feira, a procuradora do Ministério Público Federal (MPF), Adriana Scordamaglia afirmou, em entrevista coletiva, que cerca de dez prefeituras estão envolvidas no esquema de fraudes no BNDES, sem citar quais seriam.

Segundo a procuradora, o nome do deputado Paulo Pereira da Silva, o "Paulinho da Força", é citado não só em escutas telefônicas, como em depoimentos colhidos na investigação da PF.

Em nota oficial, a Força Sindical declara que Paulinho "está sendo vítima, mais uma vez, de implacável perseguição política, cujo único objetivo é impedir que mantenha, como sempre manteve, sua independência política e sua luta incansável na defesa dos direitos dos trabalhadores brasileiros".

Adriana afirma, ainda que há "sérias suspeitas" de que o advogado Ricardo Tosto, conselheiro do BNDES, solto no último dia 26 de abril, possa atrapalhar a tramitação do processo-crime. Segundo a promotora, existem provas documentais de que ele tinha como "principal objetivo acabar com as investigações da PF".

Prisões

O juiz substituto Márcio Ferro Catapani, da 2ª Vara Federal Criminal de São Paulo, especializada em crimes financeiros e lavagem de dinheiro, decretou a prisão preventiva de três dos acusados, mas negou o pedido de prisão contra Tosto.

Atendendo o MPF, o juiz decretou a prisão preventiva de três dos seis réus que estavam presos temporariamente: José Carlos Guerreiro, Marcos Vieira Mantovani e João Pedro de Moura. E Manuel Fernandes Bastos Filho, apontado como dono da casa de prostituição WE e suposto articulador do esquema das fraudes, já teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Federal. Ele está foragido.

Operação Santa Tereza

Segundo a PF, as investigações tiveram início em dezembro de 2007 para apurar denúncias sobre a prática dos crimes de tráfico interno e internacional de mulheres e de exploração de prostituição. Após investigações, foi constatada também a existência de um esquema de desvio de verbas de financiamentos do BNDES, conforme a PF.

Uma quadrilha formada por empresários, empreiteiros, advogados e servidores públicos atua de forma a obter empréstimos do referido banco e a desviar parte dos valores em benefício próprio. A PF não soube informar qual a ligação entre as duas investigações.

A quadrilha desviava 4% dos valores de cada financiamento. As investigações indicam também evidências de práticas de licitações fraudulentas em pelo menos duas prefeituras paulistas, versando sobre a distribuição de obras por estas municipalidades.

Leia mais sobre: Operação Santa Tereza

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.