Paul Newman deixou sua marca também no automobilismo

O ator americano Paul Newman perdeu a última corrida de sua vida para um rival sem rosto, mas deixou um legado que transcendeu Hollywood, ao se tornar, também, um ícone dos fãs das corridas de automobilismo.

AFP |

Newman, que faleceu na sexta-feira de um câncer de pulmão, aos 83, esteve até o último momento atrás do volante, desafiando o destino, como sempre fez em seus filmes e em sua vida particular.

Com uma extensa filmografia, que inclui 59 filmes como protagonista e seis como diretor, Newman se estabeleceu entre os grandes da indústria do cinema, mas o que muitos desconhecem é que a verdadeira paixão de sua vida foram as corridas de carro, com vitórias importantes nos circuitos competitivos dos EUA. Também era dono de uma escuderia, a Newman/Haas/Lanigan Racing, na IndyCar Series.

Sua relação com o mundo dos motores começou com o filme "500 milhas", no qual interpreta o piloto Frank Capua, um agressivo corredor que sacrifica tudo para ganhar a famosa corrida das 500 milhas de Indianápolis.

O filme, que contou com a participação de famosos pilotos da época, como Bobby Unser, Tony Hulman, Dan Gurmey e Bobby Grim, foi rodado na pista de Indiana e incluiu espetaculares seqüências da corrida daquele ano.

"500 milhas" não teve uma boa recepção da crítica especializada, mas agradou aos fãs do automobilismo e marcou para sempre a vida de Newman. De modo que é bastante simbólico que sua última aparição em público, no dia 10 de maio passado, tenha sido, exatamente, na pista onde começou sua fantasia.

Como parte de sua preparação para o filme, Newman teve, durante meses, aula de direção com pilotos profissionais e ficou tão marcado pela emoção e pela adrenalina, que estreou profissionalmente, em 1972, em uma corrida em Thompson, Connecticut.

Pouco depois terminou em segundo lugar nas 24 horas de Le Mans, de 1979, com um Porsche 935, sendo companheiro do alemão Rolf Stommelen.

Entre os anos 1970 e 1990, dirigiu para a equipe Bob Sharp Racing, sobretudo, em corridas de Fórmula Nissan, conquistando inúmeras vitórias e campeonatos.

Aos 70 anos, tornou-se o piloto mais velho a fazer parte de uma equipe vencedora em uma prova de alto nível, quando, em 1995, competiu nas 24 horas de Daytona.

Junto com Carl Haas, Newman fundou a escuderia Newman/Haas Racing, em 1983, a mais premiada equipe da desaparecida Fórmula ChampCar, que abriu as portas para vários latino-americanos, como os brasileiros Bruno Junqueira, Cristiano Da Matta, Christian Fittipaldi e Roberto Moreno.

"Paul e eu fomos sócios por 26 anos, e conheci sua paixão, humor e, principalmente, sua generosidade, não apenas econômica, mas também de espírito", comentou Haas, ao saber do falecimento de Newman.

Em uma de suas últimas entrevistas, o ator deixou clara sua paixão por essas possantes máquinas: "os carros de corrida são a coisa mais interessante que existe, depois das mulheres".

psl/tt

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG