A semana da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), em São Paulo, incentiva a organização de eventos em que o importante não é só desfile na avenida, mas discutir a diversidade sexual. É o que pretende o evento Homocultura no Século 21: Identidades e Representação , que ocorre hoje e sexta-feira na Livraria Cultura do Conjunto Nacional.

O início está previsto para as 18 horas, quando haverá a exibição das animações. O ator e diretor da Cia. Anjos Pornográficos, Miguel Hernandez, fará a leitura de um conto do livro Relicário , de Felipe Greco.

O primeiro debate deve começar às 18h30, quando a escritora Vange Leonel, o videoartista Wilton Garcia, o diretor do Festival MixBrasil, André Fischer, o escritor Felipe Greco, e o diretor teatral Osvaldo Grabrieli vão discutir um tema palpitante: Identidade - Existe uma Homocultura? Se não, o que estamos fazendo aqui? A mediação será do professor Ferdinando Martins. Vange, que também é música, participa do evento seguinte, às 19h30, quando canta duas músicas ao lado de Elisa Gargiulo, vocalista da banda de riot girls Dominatrix.

Ainda participarão Horácio Costa, com leitura de poesias homoeróticas, e Lucas Sancho, que vai ler trechos da peça Deus Sabia de Tudo e Não Fez Nada , do dramaturgo Newton Moreno. Às 20 horas, começa mais um debate sobre representações da diversidade sexual na cultura, com participações do escritor Marcelino Freire, a cantora Elisa Gargiulo, o poeta Horácio Costa, a performer e transformista Claudia Wonder e o escritor José Carlos Honório. Novamente, a mediação será de Fernando Martins. Às 21 horas, Osvaldo Gabrieli e Beto Firmino (XPTO) apresentam trecho de O Público , em homenagem a García Lorca. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.