rotina - Brasil - iG" /

Para Tarso Genro, saída de Protógenes da Operação Satiagraha é rotina

BRASÍLIA - Em entrevista coletiva na noite desta terça-feira ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, o ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou que a saída do delegado Protógenes Queiroz da Operação Satiagraha trata-se de uma rotina. Trata-se de uma rotina dentro da instituição. Todos sabem que o inquérito ja está 99,9% concluído, disse Genro.

Carollina Andrade - Último Segundo/Santafé Idéias |


Agência Brasil
Lula recebeu Tarso e Gilmar Mendes no Planalto
O ministro afirmou ainda que as férias do diretor da Polícia Federal Luiz Fernando Corrêa e o afastamento do delegado do caso é mera "coincidência". "As férias do Luiz Fernando ja estavam marcadas e eu sugeri que ele não mudasse pois não havia necessidade, nenhuma emergência e nenhuma instabilidade crítica para que ele tomasse uma medida de adiamento das suas férias".

Pacto republicano

Tarso e Mendes anunciaram ainda um "pacto republicano" para aperfeiçoar métodos e as próprias instituições para preservar diretos dos cidadãos investigados criminalmente. Eles negaram qualquer divergência e conflito entre poderes.

O ministro da Justiça agradeceu a presença de Mendes no encontro com Lula e com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e disse que "iniciamos um novo ciclo menos de debate público" para melhoria de procedimentos.

O presidente do STF voltou a criticar o que chama de "abusos da PF" e disse que foram tratados no encontro temas como interceptação telefônica e abuso de autoridades.

"Agora que cresceu o papel do Estado na investigação e que o papel da mídia também é outro, tudo isso exige uma nova abordagem de combate a criminalidade com respeito aos direitos fundamentais."

Mal interpretado

O presidente do STF ainda negou que tenha criticado em algum momento o ministro da Justiça Tarso Genro. Segundo Mendes, ele foi "mal interpretado e não compreendido pela imprensa"."Acho que o uso de alguma expressão técnica por mim não foi entendida por algumas pessoas. Quando eu disse que Tarso não teria competência para opinar sobre as decisões dos inquérito da Operação Satiagraha eu não quis dizer que ele era incompetente, mas sim, que essa atribuição não da esfera dele", disse.

Na segunda-feira, o presidente do STF havia afirmado que Tarso não teria competência para opinar sobre os habeas-corpus concedidos por ele por duas vezes ao dono do Grupo Opportunity Daniel Dantas.

O ministro da Justiça, por sua vez, ressaltou que ele e Gilmar Mendes não são oponentes e nem contraditórios neste processo que trata da Operação da PF.

Tarso acrescentou ainda que o ministro Gilmar Mendes cumpriu o seu papel como presidente do STF. "Não tivemos nenhum antagonismo. Acho que houve uma certa divulgação superlativa de contradições entre nós e que não corresponde a nossa relação durante esse tempo. Nunca rompemos a naturalidade da nossa relação e do respeito recíproco", afirmou.

Eles participaram nesta noite de uma audiência com presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde também esteve o ministro da Defesa Nelson Jobim. para tratar de possíveis reformas institucionais principalmente sobre a mudança da lei que coibe abusos de autoridades como o uso de algemas e grampos telefônicos.

Leia também:


Leia mais sobre:  Humberto Braz  - Daniel Dantas

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG