Medicamentos caros, exames complexos e até internação em UTI entraram na lista de direitos dos brasileiros, independentemente de terem condições de financiar o tratamento. O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu por unanimidade que todos têm amplos direitos à saúde e podem exigir isso do SUS.

Segundo a decisão, quando o acesso a remédios e tratamentos é negado, é legítimo que pacientes acionem a Justiça, para que o poder público arque com os custos.

Ontem, os ministros confirmaram a validade de nove decisões do presidente da Corte, Gilmar Mendes, que recusaram pedidos de governos municipais, Estados e da União para que fossem desobrigados de pagar remédios, tratamentos e serviços de diagnósticos. Normalmente, as ações são contra os municípios, mas como o SUS é integrado, o Judiciário entende que a responsabilidade deve ser das três esferas de governo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.