Para promotor, Lindemberg irá a juri popular

SÃO PAULO - O promotor Antônio Nobre Folgado, que acompanha os depoimentos nesta quinta-feira, no Fórum de Santo André, sobre a morte da jovem Eloá Pimentel, avaliou como melhor do que esperado a primeira parte de depoimentos e afirmou que é bem provável que ainda hoje fique decidido que Lindemberg Alves, acusado da morte de Eloá, irá a juri popular. Se esta decisão for tomada, o juri acontece entre maio e junho deste ano.

Amanda Demetrio - Último Segundo |

Acordo Ortográfico

Eloá foi morta após ser mantida por 100 horas refém pelo ex-namorado Lindemberg Alves, em outubro de 2008. A amiga de Eloá, Nayara Rodrigues, de 15 anos, também ficou em cárcere privado e prestou depoimento pela manhã sobre o caso.

Para o promotor, Nayara foi "coerente". "Ela é uma pessoa tranquila e segura", afirmou. Ele ainda destacou que Lindemberg, que deve prestar depoimento na tarde desta quinta-feira, manteve-se "calado e de cabeça baixa" durante a audiência. O rapaz está usando camisa branca, calça bege e chinelos e comeu três lanches de presunto e queijo e uma jarra de suco de maracujá.

Também foram ouvidos seis amigos e vizinhos do rapaz.

Policiais do Gate fizeram escuta com copo

AE

A mãe de Eloá (ao centro, com a mão no rosto)
A mãe de Eloá (ao centro, com a mão no rosto)
Além de Nayara, três policiais do (Grupo de Ações Táticas Especiais) prestaram depoimento nesta quinta. Eles mantiveram a versão de que Lindemberg disparou antes de a polícia entrar e que ele resistiu à prisão. 

Eles também detalharam como fizeram a escuta no apartamento de Eloá. Eles disseram ter usado copos de vidro colados à parede para saber o que acontecia na residência da menina, além de manter um homem na laje do prédio.

Mãe de Eloá chora

A mãe de Eloá, Ana Cristina Pimentel, também está no Fórum de Santo André. Em entrevista à impressa, Ana, acompanhada de dois filhos, disse estar "sofrendo muito". Ela afirmou que tratava Lindemberg como um filho, apesar de ele ser uma pessoa possessiva e ficou surpresa com o que aconteceu.

Sobre a punição do acusado de sua filha, ela disse que "qualquer punição não será suficiente". "Quem perdeu uma filha maravilhosa fui eu", disse, acrescentando esperar que "a justiça seja feita", finalizou.

Veja a retrospectiva do caso


Leia também:

Leia mais sobre caso Eloá

    Leia tudo sobre: caso eloá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG