Para presidente da Apas, lei vai gerar desemprego

Para o presidente da Associação dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah, o projeto pode beneficiar tanto os pequenos empresários quanto os trabalhadores. Os empregados das redes, que, em geral, não são comissionados, vão ficar em casa ao menos um dia da semana e manterão o mesmo salário.

Agência Estado |

Os funcionários do pequeno varejo, que costumam receber comissão pelas vendas, poderão aumentar a renda com a receita do domingo."

Por esse motivo, Patah julga a proposta "equilibrada". "Acho que é uma forma de trazer recursos para quem necessita, dando um fôlego novo a empresas que vivem com dificuldade e a trabalhadores que ganham pouco."

Martinho Paiva Moreira, vice-presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas) discorda frontalmente. Para ele, o fechamento das lojas aos domingos pode forçar as redes a demitir funcionários - uma massa que não seria absorvida pelo pequeno varejo. "A criação de um posto formal de trabalho implica uma série de custos que muitas lojas de menor porte não têm condições de assumir", afirma Moreira. As redes varejistas Casas Bahia, Pão de Açúcar, Carrefour, Dicico, Leroy Merlin e Ponto Frio preferiram não se pronunciar sobre o assunto.

    Leia tudo sobre: comércio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG