Para Lúcia Murat, distribuição é o calcanhar de Aquiles do cinema brasileiro

O cinema brasileiro é um dos mais importantes da América Latina e tem apoio estatal em sua produção, mas a distribuição é um problema comercial, que o coloca em desvantagem relação aos filmes mais comerciais, afirmou neste sábado a diretora carioca Lucía Murat, presente no Festival de Cinema de Havana.

AFP |

"Existem grandes problemas na distribuição. No Brasil, se pode coincidir a projeção de filmes nacionais com estrangeiros e não existe uma regulação que ao menos equilibre o processo em escala nacional", afirmou Murat, de 60 anos, em entrevista ao Diário do Festival, publicado pelo comitê organizador do evento.

"O governo apóia alternativas como as co-produções e muitos dos realizadores nacionais conseguiram estabelecer importantes relações com algumas companhias para assegurar o financiamento da obra".

"Mas, no caso da distribuição, por exemplo, a estréia de "O homem-aranha" no Brasil ocupou 85% das salas de projeção do país, enquanto que as 15% restantes exibiram o resto da produção da região e, inclusive, os filmes nacionais".

Murat apresentou em Havana seu mais recente filme, "Maré, nossa história de amor", que compete com outras 19 produções pelo Prêmio Coral de longa-metragem de ficção.

"Há muito tempo queria fazer um musical. Apesar de em outras cinematografias, como a norte-americana, tenha havido nos últimos tempos um renacer do musical no cinema, em nosso continente e em meu país especialmente, ele ainda continua adormecido. Acho que temos os ingrediente necessáros para explorar o gênero", conclui.

cb/jb/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG