Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Para evitar ¿apagão¿, Correios querem contratar 7 mil temporários

Terceirizados fazem parte de plano de contingência da estatal. Orçado em R$ 425 milhões, prevê ampliação de cerca de 450 agências

Fred Raposo, iG Brasília |

Para evitar o chamado “apagão postal”, os Correios prepararam um plano de contingência que prevê contratação de até 7 mil funcionários temporários. Os novos servidores serão terceirizados e realizarão tarefas básicas, como coleta de encomendas e atendimentos em guichês.

Por se tratar de serviço temporário, pela lei, os contratos terão que ser renovados a cada 90 dias. O chefe do departamento de Relacionamento Institucional dos Correios, Mário Renato Borges da Silva, informa que existe uma licitação em andamento para contratar a empresa responsável pelos novos funcionários.

 

“O serviço terá duração máxima de um ano e os terceirizados começam a operar já em 11 de novembro”, afirma ele.

Orçado em R$ 425 milhões, o projeto é uma espécie de “tapa buraco”, enquanto não se resolve a batalha judicial travada entre os Correios e as agências franqueadas, que ameaça emperrar a renovação de 11% da rede de atendimento da estatal. Das 1.402 concessões que se encerram em 10 de novembro, cerca de 200 assinaram novos contratos, segundo a estatal.

Alvo de ação que pede sua anulação na Justiça Federal, o plano de contingência foi apresentado na manhã desta quarta-feira ao ministro das Comunicações, José Artur Filardi. “Ele quis saber se estava pronto”, conta Borges.

A proposta prevê ainda a ampliação de 450 agências em todo o país. Nas agências próprias, a estatal aumentará o número de guichês. Já os centros de distribuição domiciliar – que até então não faz atendimento – e de entrega de encomendas receberão funcionários para atuar em balcões de atendimento ao público. O projeto inclui também aluguel de imóveis.

Terceirizados serão substituídos

Em um segundo momento, contudo, os Correios pretendem substituir os terceirizados por funcionários próprios. As vagas serão preenchidas, explica Borges, por meio do concurso da estatal, que será concluído em 28 de novembro. Serão 6.500 novos efetivos. “A previsão é que eles comecem em fevereiro do ano que vem”, afirma.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG