Para especialistas, o que falta na política brasileira é aplicar a lei

SÃO PAULO - O escândalo dos vídeos em que o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), e seus auxiliares aparecem recebendo dinheiro de empresários trouxe de volta à tona a velha discussão sobre a necessidade de uma reforma política como panacéia. A cada escândalo os políticos repetem o mantra da necessidade de novas leis para combater a corrupção.

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

O iG ouviu dois respeitados especialistas no assunto, a petista Maria Victoria Benevides , cientista política e professora da Faculdade de Educação da USP, e o tucano José Arthur Gianotti, filósofo e professor emérito da USP. Ambos concordaram que a legislação é suficiente, o que falta é aplicar as leis.

Para Maria Victoria, falar em reforma legal a cada escândalo é como colar tranca em uma porta arrombada. Já Gianotti disse que falta é vergonha na cara tanto dos políticos corruptos quanto dos que falam em reforma. Para os dois, os sucessivos escândalos de corrupção não são exclusividade da classe política e refletem a cultura predominante na sociedade brasileira.

José Arthur Gianotti

iG ¿ O novo escândalo envolvendo o DEM trouxe de volta a discussão sobre a reforma política. O Brasil precisa de novas leis para combater a corrupção?

José Arthur Gianotti ¿ Não. O que falta é vergonha na cara dos políticos e daqueles que falam em reforma política. É uma mania de quando a realidade está errada pegar uma lei e achar que a lei vai mudar a realidade.

iG ¿ Como corrigir esta realidade?

José Arthur Gianotti - O que precisamos é de instituições que sejam para valer. Vivemos uma contradição muito particular. As escolas cresceram enormemente mas são escolas de faz de conta. É um monte de gente com diploma de não sei o quê. Daqui a pouco teremos doutores em maçanetas e picaretas. O Judiciário faz auê na TV mas demora 10 anos para julgar uma pessoa. Temos políticos que não cuidam de nada a não ser dos próprios interesses.

iG ¿ O ambiente político está mais deteriorado ou é apenas um aumento da percepção?

José Arthur Gianotti ¿ Tenho a impressão de que está bem mais deteriorado. Você mede a deterioração do sistema político quando as oposições não têm vergonha na cara. A situação é tão especial no Brasil hoje que da oposição ao governo todo eles acham que está muito ruim, que é uma vergonha, mas todos praticam as mesmas coisas.

iG ¿ Qual o papel do presidente Lula e do PT neste quadro?

José Arthur Gianotti ¿ O velho Aristóteles já dizia que a lei moral é uma lei que se apresenta encarnada em certas personalidades. Quando a oposição vem para o governo para mudar tudo e estruturalmente não muda nada, quando se tem um chefe de governo que um dia diz uma coisa e no outro faz outra, que transforma a mentira em uma forma de comunicação, obviamente ele tem muita culpa.

iG ¿ O que fazer para melhorar o nível da classe política?

José Arthur Gianotti ¿ Melhorar o nível do eleitor para que ele tenha consciência de que quando ele vota as conseqüências são efetivas. O problema não é a classe política, é toda a estrutura social brasileira.  O que precisamos é evitar que venha um salvador da pátria que queira reformar na base do grito. Mas a primeira coisa é não votar mais em picaretas.

iG ¿ Estes escândalos que envolvem, um por um, toda seara política afastam as pessoas bem preparadas e honestas?

José Arthur Gianotti ¿ Depende. Se você tiver um companheiro que tope não participar de falcatruas aos poucos a rede vai se espalhando como uma mancha de óleo. O bem também se espalha.

iG ¿ O financiamento de campanha virou uma desculpa para todo tipo de corrupção?

José Arthur Gianotti ¿ Você acredita nisso? Não? Nem eu.

Leia a entrevista com Maria Victoria Benevides.

    Leia tudo sobre: arrudacorrupção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG