Pais de crianças agredidas em creche prestam depoimento em Goiás

Mães dizem que crianças voltavam com pequenas lesões do berçário e que tiveram alteração no comportamento

iG São Paulo | 05/11/2010 18:49

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

Pelo menos oito pais e mães de crianças que frequentavam o berçário Bebê Feliz, no setor Parque das Laranjeiras, na região sul de Goiânia, prestaram depoimentos nesta sexta-feira na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) da capital de Goiás. A dona da creche, Maria do Carmo Serrano, de 62 anos, foi flagrada em filmagem feita a pedido da polícia maltratando e agredindo crianças que passavam o dia no berçário.

Dona de creche é flagrada agredindo crianças

As imagens, gravadas por uma funcionária da escolinha infantil, mostram Maria do Carmo empurrando, dando tapas e jogando uma criança em um colchão de cabeça para baixo. Entre os castigos aplicados por ela, estava raspar a mão das crianças na parede. Uma delas chega a reclamar que estava saindo sangue.

Segundo a escrivã Priscila Glenia, da DPCA, nos relatos, os pais das crianças afirmaram que os filhos apresentavam alterações no comportamento e que voltavam para a casa com pequenas lesões. "As mães disseram que desconfiavam de alguma coisa, mas não acreditavam que as agressões viriam da dona da creche. Elas pensavam que os pequenos machucados eram de brincadeiras, de coisas que acontecem com as crianças. Todas as mães também relataram mudanças no comportamento das crianças. Elas andavam mais quietas. Algumas pegavam as bonecas e gritavam 'cala a boca', 'fica quieta'".

As denúncias de maus-tratos chegaram de forma anônima à polícia há cerca de um mês. Para colher as provas, a inteligência da polícia entrou em contato com funcionários da creche para que as filmagens fossem feitas. No momento, o berçário tinha 22 crianças matriculadas, de 0 a 4 anos. Os pais pagavam cerca R$ 300 por mês.

À imprensa, a funcionária da creche que fez as imagens afirmou que sempre viu a dona da creche agredindo as crianças. "Eu trabalho lá há sete meses. Desde quando entrei eu venho vendo essas agressões. Não só físicas, como verbalmente".

Mesmo com a filmagem, a Justiça negou o pedido de prisão preventiva de Maria do Carmo. A creche não reabriu nesta sexta-feira e a polícia aguarda que ela se apresente para depor, mas não tem informações do seu paradeiro. O advogado da dona da creche disse que ela vai se apresentar à polícia, mas não informou quando.

    Notícias Relacionadas



    Previsão do Tempo

    CLIMATEMPO

    Previsão Completa

    • Hoje
    • Amanhã

    Trânsito Agora

    Ver de novo