Pai e madrasta de Isabella se entregam à polícia

O casal Alexandre Alves Nardoni e Anna Carolina Trotta Peixoto Jatobá se entregaram hoje à polícia. Eles tiveram ontem a prisão preventiva decretada por serem suspeitos da morte da menina Isabella Nardoni, de 5 anos, que despencou no sábado à noite do sexto andar de um prédio da zona norte de São Paulo.

Agência Estado |

O pedido de prisão preventiva é válido por 30 dias e pode ser renovado por mais 30.

A prisão temporária foi decretada para que o casal não prejudique as investigações, que prosseguem tanto na área da polícia científica quanto na busca de novas pistas no prédio, onde ocorreu a morte da menina. Junto com o decreto de prisão temporária, o juiz do 2º Tribunal do Júri do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo, Mauricio Fossen, ordenou também sigilo absoluto do caso.

Peritos do Instituto de Criminalística (IC) voltaram na noite de ontem ao Edifício Residencial London, na Vila Mazzei, em busca de mais provas que ajudem a esclarecer a morte da criança. Com a ajuda de reagentes químicos e uma luz especial - chamado de luminol - eles procuraram vestígios de sangue no veículo e no apartamento. A equipe do IC também fotografou, mediu e inspecionou por mais de duas horas a janela do quarto onde Isabella caiu.

No apartamento, há vestígios de sangue nos corredores, em lençóis e na rede da janela. Os peritos utilizaram ainda um boneco do tamanho de uma criança para indicar o exato local em que Isabella foi encontrada ao cair do prédio, ao lado de uma palmeira, num gramado, na frente da guarita do porteiro.

Cartas

Alexandre Nardoni e sua esposa, Anna Carolina, divulgaram cartas nas quais se dizem inocentes em relação à morte da garota. Alexandre afirmou que pode dizer, "sem dúvida, que a Isabella é o maior tesouro da minha vida". "Quando me dei conta que tinha perdido minha Isabella, senti naquele momento que o meu mundo acabou, não sei como caminhar. Todos estão me julgando sem ao menos me conhecer. Não faria isso com ninguém, muito menos com minha filha. Amo a Isabella incondicionalmente e prometi a ela, em frente ao seu caixão, que, enquanto vivo, não sossego enquanto não encontrar esse monstro (assassino da filha)."

O pai de Isabella afirma ainda que ele e a mulher não se pronunciaram antes porque acreditavam "que o caso seria solucionado". "Nós não somos os culpados e ainda encontrarão o culpado. Desta forma, não precisaríamos mostrar nossa imagem porque o nosso sofrimento é muito grande. Só que nos acusam e queremos mostrar o que realmente estamos sentindo. A verdade sempre prevalecerá", afirmou.

Já a madrasta de Isabella, em sua carta, conta quão bom era o relacionamento entre a menina e os outros dois filhos do casal. "Amo ela, como amo aos meus filhos. Tenho minha consciência tranqüila do carinho com que sempre a tratei." No final, Anna Carolina repete a afirmação do pai de Isabella, de que não haviam se pronunciado antes porque acreditavam "que o caso seria solucionado". "Somos inocentes e a verdade sempre prevalecerá."

Depoimentos

O delegado titular da 9º Delegacia de Polícia de São Paulo, Calixto Calil Filho, pediu a prisão preventiva do casal, ontem, logo após os depoimentos da mãe de Isabella, a bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira - que é separada de Alexandre -, e dos avós maternos da menina. O que foi dito nos depoimentos não foi divulgado. "Não tenho nada a declarar, que a justiça seja feita agora", afirmou a mãe ao sair da delegacia.

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG