Pai de João Roberto se exalta ao ver PMs em tribunal

Ao encarar pela primeira vez hoje os dois policiais militares acusados da morte de seu filho de três anos, o taxista Paulo Roberto Soares se exaltou e os chamou de assassinos. O encontro aconteceu durante a audiência de testemunhas no 2º Tribunal do Júri, no centro do Rio de Janeiro.

Agência Estado |

Paulo é pai de João Roberto Amaral Soares, baleado na noite de 6 de julho dentro do carro da família a poucos metros de casa.

"Assassinos. O que vocês fizeram foi covardia. Mataram meu filho, uma criança indefesa. Não consigo mais dormir, não consigo mais comer. Foi covardia, assassinos", gritou o pai, que foi retirado do tribunal por seus advogados. Na ocasião da morte, o cabo William de Paula e o soldado Elias Gonçalves da Costa Neto, ambos lotados no 6º Batalhão de Polícia Militar (PM), confundiram o carro onde estava João Roberto com um roubado que perseguiam.

O carro da família, que era dirigido pela mãe, Alessandra Soares, foi atingido por ao menos 15 tiros. Ela havia acabado de encostar o veículo para deixar que a polícia passasse. Alessandra voltava de uma festa de aniversário com João Roberto e seu outro filho de apenas um ano, quando foi abordada pelos PMs. Hoje, ela foi uma das seis testemunhas que prestaram depoimento ao juiz Paulo de Oliveira Lanzellotti Baldez.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG