Pagamento de fiscais da lei antifumo sofre atraso em SP

Metade dos fiscais caça-fumaça está sem receber o salário prometido para fiscalizar a lei antifumo na capital paulista. Segundo os agentes, o problema com a remuneração - são R$ 160 recebidos por participação em blitz após o horário comercial em bares, restaurantes, casas noturnas - começou em setembro, no mesmo mês em que entrou em vigor a legislação que proibiu o fumo e o fumódromo em qualquer ambiente de uso coletivo no Estado de São Paulo.

Agência Estado |

Apesar dos atrasos nos pagamentos, a entidade que representa os funcionários lesados disse que não houve nenhum comprometimento na fiscalização.

O problema com os salários só afeta os fiscais ligados à Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), um dos órgãos que participam das operações fiscalizatórias e responde por 50% da equipe caça-fumaça. Já os agentes sanitários, que formam a outra parcela responsável por visitar os estabelecimentos públicos e privados, continuam recebendo normalmente.

A responsabilidade pelo pagamento dos adicionais dos dois grupos é da Vigilância Sanitária, ligada à Secretaria de Estado da Saúde. Por meio da Assessoria de Imprensa, a secretaria admitiu a falha. "Houve uma falha da Vigilância Sanitária no processamento de dados dos relatórios do Procon, o que contribuiu para atrasar o pagamento de uma parte dos fiscais. Isso foi corrigido e o pagamento será feito nos próximos dias", afirmou a pasta da Saúde. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG