As críticas do ex-governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), à pré-candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, foram recebidas com ironia pelo comando da campanha petista. Em entrevista ao Estado , Aécio disse que Dilma é uma grande incógnita e terá de demonstrar, nessa temporada, qual será a presença do PT ideológico do Estado máximo e dos problemas éticos no governo se o partido chegar mais uma vez ao poder.

"É muito gozado os tucanos e o DEM quererem falar sobre o futuro, usando os mesmos argumentos do passado", afirmou o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, seguindo estratégia para desbancar a tática do adversário José Serra (PSDB), que se apresentou no sábado como nome do "pós-Lula" - expressão cunhada por Aécio - e prometeu trabalhar pela união do País.

"O que eles estão falando sobre a relação da Dilma com o PT, hoje, é o mesmo que diziam na campanha de 2002, quando o presidente Lula era candidato e tentaram espalhar o medo", insistiu Padilha. Articulador político do Palácio do Planalto, o ministro rebateu os ataques de Serra e Aécio, que querem carimbar o PT como um partido que aposta na divisão do País e na disputa entre ricos e pobres.

"Nós provamos que sabemos governar com 17 partidos, aglutinando forças. No lançamento do Serra, só havia representantes do PSDB, do DEM e do PPS. Como eles querem unir o Brasil com apenas três partidos?", provocou Padilha. Integrante da coordenação da campanha de Dilma, o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), disse que a entrevista de Aécio ao Estado faz parte da tática desenhada pela oposição.

"O ex-governador está fazendo o discurso da campanha tucana. Nós registramos, tomamos boa nota e seguimos em frente", minimizou Pimentel. "O PSDB é contra o governo Lula e precisa lutar muito. É uma luta vã, mas fazer o quê?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.