Trabalhador rural é morto em Eldorado dos Carajás

Segundo a polícia, homem foi baleado e executado quando era socorrido

Wilson Lima, iG Maranhão |

O lavrador Marcos Gomes da Silva, de 33 anos, foi executado a tiros e teve sua orelha decepada na noite de quinta-feira em Eldorado dos Carajás, cidade a 525 km da capital Belém. Essa foi a quinta execução de trabalhadores rurais no norte do pais em dez dias, a quarta no Pará. A outra ocorreu em Rondônia.

A vítima era um dos assentados do acampamento Nova Sapucaia, projeto criado pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará (Fetagri). As características do crime são similares à do casal de extrativistas J osé Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva , assassinados dia 24 de maio, em Nova Ipixuna, Pará. Mas, segundo a polícia civil paraense, não há relações diretas entre os três homicídios.

Conforme informações da Polícia Civil do Pará, Marcos Gomes foi vítima de um duplo atentado na quarta-feira. No final da tarde, ele foi alvejado com um tiro de espingarda quando estava em uma estrada vicinal na zona rural de Eldorado dos Carajás, próximo ao assentamento onde morava. Nesse momento, ele foi socorrido por um vizinho, identificado como Dejesus Martins Araújo.

Mas no instante em que Dejesus levava o lavrador para o hospital de Eldorado dos Carajás, já por volta das 21h, dois homens armados interceptaram o veículo em que ele estava, pediram para que ele descesse do automóvel e ordenaram que Dejesus corresse em sentido contrário. Nesse instante, os dois homens dispararam outros tiros contra o agricultor. A vítima foi deixada no local com um pedaço de uma das orelhas decepada. Informações extra-oficiais dão conta de que antes de ser executado a tiros, os homens ainda tentaram enforcá-lo. Dejesus fez a denúncia hoje pela manhã.

A Polícia Civil do Pará abriu investigação para apurar a motivação do crime. Pelas características, os policiais não descartam a possibilidade de um novo crime de encomenda, como ocorreu com José Cláudio e Maria do Espírito Santo. Mas, ao contrário de José Cláudio e Maria, Marcos Gomes, natural do Maranhão, não era um líder camponês e não estava na lista da Comissão Pastoral da Terra (CPT) dos 30 ameaçados de morte no Pará.

O assassinato desse lavrador após o aniversário de 15 anos do massacre de Eldorado dos Carajás. Em 17 de abril de 1996, 19 trabalhadores sem-terra foram executados no município pela Polícia Militar do Estado. Os assassinatos ocorreram durante um confronto entre a PM paraense e 1.500 trabalhadores sem terra, em um protesto contra a demora da desapropriação de terras na PA-150, rodovia que liga Belém ao sul do Estado.

Extrativistas

A Polícia Civil paraense informou nesta quinta-feira que avançaram as investigações em relação à morte do casal de extrativistas, mas não divulgou o que descobriu. Desde a abertura do inquérito, há dez dias, 19 pessoas já foram ouvidas em Nova Ipixuna e Marabá. Na quarta-feira, policiais retornaram ao local do crime, o assentamento Praialta-Piranheira, com a intenção de se obter mais provas. Não há prazo para a conclusão do inquérito sobre o caso.

    Leia tudo sobre: carajásconflito agráriopará

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG