Orelhas de extrativistas foram cortadas, diz polícia

Simão Jatene (PSDB), governador do Pará, classificou episódio como “atitude irracional e hedionda”

Wilson Lima, iG Maranhão | 24/05/2011 21:21

Compartilhar:

Foto: Divulgação

José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, mortos nesta segunda

Além de assassinar o casal de líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, em Nova Ipixuna, cidade a 390 quilômetros de Belém, os autores do crime ainda deceparam uma orelha de cada vítima após o duplo homicídio. As informações foram confirmadas pelo delegado de Nova Ipixuna Marcos Augusto Cruz, integrante da comissão de policiais que investigam o caso.

Leia também: "Meu tio foi vítima do descaso", afirma sobrinha de casal extrativista

Pelas primeiras informações da Polícia Civil, o casal foi executado na manhã desta terça-feira com tiros de espingarda na cabeça disparados por pelo menos dois homens. O homicídio ocorreu em um terreno ermo, a aproximadamente cinco quilômetros do Assentamento Agroextrativista Praia Alta Piranheira, onde os dois moravam. O assentamento está localizado a 42 quilômetros da sede município de Nova Ipixuna. “Foi um crime cruel”, definiu o delegado Marcos Cruz.

A primeira frente de investigação da Polícia Civil é que esse tenha sido um crime de encomenda, patrocinado por madeireiros da região. Mas a Polícia paraense não descarta ainda outras hipóteses.

“Encontramos o cenário típico de um crime de encomenda”, confirmou o delegado Marcos Cruz.  “Trabalhamos com várias linhas, mas pelo fato dele ser líder de movimentos sociais e viver um contexto de conflitos com madeireiros na região, isso sugere que valorizemos essa frente (de investigação)”, esclareceu o delegado. Após as primeiras investigações, a polícia já enumerou algumas pessoas consideradas suspeitas de participação no crime. Os nomes não foram divulgados.

José Cláudio Ribeiro fala sobre seu trabalho e relata ameaças

"Covardia"

Em nota oficial divulgada no início da noite, o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), classificou o episódio como uma “atitude irracional e hedionda”. “O Estado não tolera mais a violência contra trabalhadores. O Pará não admite que seu território seja transformado em campo minado de pistoleiros e mandantes”, afirmou.

Jatene repudiou a “covardia de quem perpreta esse tipo de crime” e assegurou que “não vai sossegar enquanto os executores e os mandantes não estiverem na cadeia”. “No momento em que o Estado se empenha em implantar e efetivar um programa de desenvolvimento sustentável, que valoriza a preservação da floresta e pacifica as relações entre produtores, trabalhadores e poderes constituídos – o Programa Municípios Verdes -, não se pode assistir a essa brutalidade sem uma providência enérgica”, disse.

Por fim, o tucano afirmou que “esses crimes não ficarão impunes”. O velório do casal acontecerá na manhã desta quarta-feira, em Marabá, município distante 60 quilômetros de Nova Ipixuna. Cerca de 100 amigos e ambientalistas já estão em Marabá para as últimas homenagens.

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo