Justiça Federal quer julgar assassinato de casal de extrativistas

Tribunal Regional Federal da 1ª Região afirma que caso está ligado à disputa de terras públicas. Justiça Estadual pode discordar

Agência Brasil |

O assassinato do casal de extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo poderá ser julgado pela Justiça Federal e não mais pela Justiça Estadual paraense. É o que definiu o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília, ao analisar um recurso do Ministério Público Federal (MPF) no Pará.

Divulgação
José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, mortos nesta segunda

Crime: Casal de extrativistas é assassinado no Pará

Castigo: Polícia prende acusados de assassinar casal extrativista no Pará

O órgão alega que o crime, ocorrido em maio, está ligado à disputa de terras públicas e que, por isso, deve ser julgado pela Justiça Federal. Agora, a definição de competência do TRF1 será comunicada ao juiz estadual responsável pelo caso. Ele poderá concordar com a decisão ou discordar, alegando conflito de competência.

Se o juiz do Pará acatar a decisão do TRF1, os processos são imediatamente remetidos para a Subseção Judiciária Federal de Marabá. Caso contrário, o magistrado pode dar início ao chamado conflito positivo de competência, que deve ser resolvido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O MPF alegou, no recurso encaminhado ao TRF1, que, antes do assassinato do casal, o órgão já trabalhava na apuração de denúncias feitas por José Cláudio e a esposa sobre retirada ilegal de madeira no projeto de assentamento agroextrativista Praialta-Piranheira, em Nova Ipixuna. De acordo com o MPF, o trabalho era feito em conjunto com a Polícia Federal.

"Durante as investigações relativas ao assassinato do casal, foram carreadas aos autos informações que davam conta da materialidade de outros crimes da competência da Justiça Federal relacionados com a motivação do duplo homicídio", diz o texto do recurso, fazendo referência aos crimes de invasão e comercialização ilegal de terras da União.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG