Ibama pede cancelamento de licença de 12 madeireiras no Pará

Empresas ficam em Nova Ipixuna, perto do assentamento onde casal de extrativistas foi executado

Wilson Lima, iG Maranhão |

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pediu na manhã desta sexta-feira à Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) do Pará a cassação das licenças ambientais de 12 madeireiras de Nova Ipixuna, cidade distante 390 quilômetros de Belém.

As madeireiras funcionavam na região onde foram executados os líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo , na terça-feira da semana passada.

Segundo informações do superintendente do Ibama no Pará, Sérgio Suzuki, as madeireiras possuíam “vasta lista de antecedentes no cometimento de infrações ambientais”. Durante as operações de fiscalização das madeireiras que foram desencadeadas após a morte dos extrativistas, o Ibama descobriu casos de empresas que foram multadas até 18 vezes em um período de 13 anos.

Divulgação
José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, assassinados no Pará
Ainda de acordo com o Ibama, também existe a intenção de acionar o Ministério Público Federal (MPF) para que essas empresas sejam punidas por outros crimes como falsificação de documentos ou inserção de dados falsos no sistema de controle de extração e transporte de madeira como o Sisflora, sistema estadual que controla a compra e venda de produtos florestais no Pará.

O assassinato dos extrativistas obrigou o Ibama a intensificar as ações de fiscalização ambiental na região de Nova Ipixuna. Em uma semana da força-tarefa, cinco madeireiras foram fechadas e aplicados R$ 952,3 mil em multas. Dezenas de fornos ilegais foram destruídos e alguns assentados do Projeto Agroextrativista Praialta-Piranheira também receberam multas por ter algum tipo de envolvimento com madeireiros na região.

Levantamento do Ibama conta que em Nova Ipixuna, existiam 13 pontos de extração ilegal de madeira, 14 áreas desmatadas e 120 fornos em atividades para a produção ilegal de carvão vegetal. A Sema ainda não se pronunciou oficialmente sobre o pedido do Ibama do PA.

Castanheira

Já em Novo Repartimento, cidade a aproximadamente 350 quilômetros de Belém, o Ibama flagrou duas serrarias que funcionavam sem licença ambiental. Elas exploravam ilegalmente castanheiras-do-pará no entorno da Terra Indígena Parakanã. No local foram apreendidos 120 m³ de castanheira em tora e 126m³ da espécie já serrada. O Ibama multou as duas madeireiras em R$ 386,3 mil. Um dos dois proprietários das serrarias ainda está sendo procurado pelo órgão.

Os técnicos do Ibama encontraram na quinta-feira mais de 20 toras de árvores centenárias derrubadas. Alguns dos madeireiros estavam extraindo madeira dentro da floresta. O corte e comercialização da castanheira-do-pará é proibido por lei. Segundo dados do Ibama, desde meados de abril, já foram aplicados R$ 9 milhões em multas por crimes de desmatamento ilegal da floresta amazônica nas cidades de Pacajá, Novo Repartimento, Portel, Anapu e Altamira.

Nessa área já foram apreendidos três tratores, duas motosserras e uma arma. Uma onça-pintada foi resgatada e 1,6 mil hectares de áreas de florestas convertidas ilegalmente em pastagens foram embargados.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG