Três acusados pela morte de casal extrativista são levados a júri no Pará

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

José Cláudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo foram assassinados em maio de 2011, em um assentamento de Nova Ipixuna. Eles denunciavam a extração ilegal de madeira na região

Agência Brasil

Divulgação
José Claudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo foram mortos em maio de 2011

Três acusados de terem participado do assassinato do casal de trabalhadores rurais José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva vão a júri popular nesta quarta-feira, no Fórum de Marabá (PA), a cerca de 600 km da capital paraense, Belém.

A expectativa da Justiça Estadual é que o julgamento de José Rodrigues Moreira, Lindonjonson Silva Rocha e Alberto Lopes do Nascimento seja concluído em dois dias.

Relembre: Casal de extrativistas é assassinado no Pará

O policiamento no local foi reforçado, devido à grande repercussão do caso e à expectativa de que muitas pessoas queiram acompanhar o julgamento. O local comporta apenas 90 pessoas. José Cláudio e Maria foram assassinados a tiros em maio de 2011, em um assentamento de Nova Ipixuna, no sudeste do Pará.

Os dois denunciavam a extração ilegal de madeira na região em que viviam e afirmavam receber constantes ameaças de morte. Dois meses após o crime, o Ministério Público do Pará denunciou por homicídio duplamente qualificado José Rodrigues Moreira, que diz ser o dono das terras onde o assentamento Ipixuna foi montado. Ele ainda é apontado como mandante do crime.

A promotora responsável pela denúncia, Amanda Lobato, também acusou o irmão de Moreira, Lindonjonson Silva Rocha, e Alberto Lopes do Nascimento, de executarem o duplo assassinato. Ainda segundo o Ministério Público estadual, o objetivo do crime era retirar o assentamento da terra comprada por José Rodrigues.

Leia tudo sobre: casal extrativistaparájúri popularjulgamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas