Justiça condena dois fazendeiros por trabalho escravo

Um dos fazendeiros foi foi condenado a quatro anos e oito meses de reclusão e multa. Já o outro recebeu apenas multa e pena de prestação de serviços comunitários

AE |

selo

A Justiça Federal no Pará publicou decisões em que condena dois fazendeiros por terem submetido trabalhadores a condições semelhantes às de escravos. Segundo o Ministério Público do Pará, foram condenados João Caldas de Oliveira, proprietário da fazenda União, localizada em Goianésia do Pará, e Válber Falquetto, dono da fazenda Tucandeira, que fica no município de Medicilândia.

Leia também:
Câmara aprova expropriação de terras de quem explora trabalho escravo
Poder Online: CPI do Trabalho Escravo já nasce comprometida
Relembre: Manifestantes cobraram votação da PEC do Trabalho Escravo na Câmara
Saiba mais: ONU quer mais rigor na punição ao trabalho escravo

Oliveira foi condenado a quatro anos e oito meses de reclusão e multa. Ele foi denunciado pelo MPF a partir de informações levantadas pelo grupo móvel de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que em outubro de 2008 encontrou na fazenda União dez trabalhadores em condições análogas às de escravo. 

Na fazenda Tucandeira, de Falquetto, o flagrante foi em 2006. O grupo móvel de fiscalização encontrou 13 trabalhadores em situação degradante. Falquetto foi condenado a pagamento de dois salários mínimos por mês para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Altamira e a prestação de serviços comunitários à Secretaria de Educação do município de Uruará durante dois anos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG