Oswaldo Mendes lança biografia de Plínio Marcos

SÃO PAULO ¿ Há exatos dez anos, Oswaldo Mendes estava no velório de um dos maiores dramaturgos brasileiros, Plínio Marcos (1935 - 1999), autor de peças como Dois Perdidos Numa Noite Suja e Navalha na Carne. Na ocasião, familiares e amigos do escritor instigaram Mendes a escrever a biografia de Plínio.

Redação com Agência Estado |

Divulgação
"Não quis pensar nisso na hora. Não podia escrever naquela hora, pensando no amigo que tinha acabado de morrer. Precisava de algum distanciamento", confirma Mendes, que é ator, jornalista e dramaturgo.

Só agora ele se sentiu à vontade para o desafio. "Escrever a história de Plínio não foi fácil. Ele era uma pessoa que sempre privilegiou a versão ao fato. Para ele, o fato não passava de um B.O. (Boletim de Ocorrência). O barato era a versão", diz o autor do livro, que chega às livrarias com o nome de "Bendito Maldito".

Uma das versões esclarecidas pelo biógrafo foi a de que Plínio Marcos teria sido descoberto pela musa do modernismo, Pagu. "Ele foi descoberto por um jornalista, um crítico de teatro, em um circo de Santos. Mas, como as pessoas repetiram tanto essa história da Pagu, o Plínio acabava alimentando isso", brinca.

Mendes diz que escreveu essa biografia para os jovens, gente que ainda não conhece a obra de Plínio Marcos. "Não faria sentido escrever para os amigos do Plínio, para aqueles que conviveram com ele. Fiz uma biografia para as novas gerações", fala o escritor. Ele acredita que Plínio Marcos continua, e sempre vai continuar, no imaginário de quem gosta de teatro. "Ah, é só você ver o tanto de peças que estão em cartaz. Peças que ele escreveu ou peças baseadas em suas crônicas e em sua vida. O Plínio continua muito forte e presente."

Leia mais sobre: Plínio Marcos

    Leia tudo sobre: plínio marcosteatro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG