Oposicionistas usam Lula em campanhas pelo País

Na reta final das campanhas municipais, vários candidatos têm deixado de lado suas convicções e avançado sobre programas e apoios de seus adversários. Numa espécie de canibalização política, tentam obter deles o prestígio, a força e virtudes eleitorais que admiram ou o eleitorado aprova.

Agência Estado |

Essa estratégia se espalhou pelo País e tem tido como alvo principal o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na esteira do crescimento de sua popularidade. Também tem acertado alguns de seus principais programas, como o Bolsa-Família, que transfere renda para as famílias com menor renda e, por conta disso, se tornou a iniciativa mais cobiçada nas campanhas eleitorais.

Que o diga o deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM), líder nas pesquisas de intenção de voto em Salvador. No Congresso, ACM Neto tem sido um dos destaques da oposição nas críticas ao presidente e ao governo federal. Mas, diante da popularidade de Lula e do Bolsa-Família na Bahia, o candidato decidiu dar uma abocanhada no prestígio do adversário. Em seu horário eleitoral, reconheceu que o governo federal "faz sua parte" no repasse do Bolsa-Família para Salvador. Além de elogiar Lula, ACM Neto passou a exibir também imagens suas ao lado do ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, responsável pelo programa.

A popularidade de Lula, especialmente no Norte e no Nordeste, tem de fato despertado o apetite de seus antigos adversários. Líder na pesquisa em Teresina, o prefeito tucano Silvio Mendes chegou a exibir imagens do presidente em seu programa, irritando o adversário petista Nazareno Fonteles, "dono" legal da imagem de Lula na cidade. A Justiça Eleitoral decidiu que Mendes deveria suspender a exibição dessa gravação.

Em São Luís, João Castelo (PSDB), que também lidera as pesquisas, recorreu ao presidente para conter o crescimento de Flávio Dino (PC do B), que tem o apoio oficial de Lula na capital maranhense. Colocou trecho de gravação feita pelo presidente na qual diz que não discriminará aliados ou adversários. A Justiça também mandou suspender a exibição, mas Castelo continuou apresentando a gravação.

Até mesmo em São Paulo, onde o PT tem um embate muito mais claro contra políticos do PSDB e do DEM, não faltaram mordidas no bom momento de Lula. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) reconheceu no horário político que o presidente tem ajudado sua administração a funcionar. Tudo para tentar evitar que a candidata petista Marta Suplicy fature sozinha o prestígio presidencial. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG