Oposição tentar recriar CPMI do MST para investigar assentamentos

BRASÍLIA - A oposição retomou a coleta de assinaturas para criar uma comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) sobre reapasse de recursos públicos para o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). O novo requerimento propõe a criação da CPMI do Campo, que vai investigar também reapasses internacionais ao movimento e o sistema de reforma agrária utilizado no Brasil.

Sarah Barros, repórter em Brasília |


Um dos autores do requerimento, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) explicou que a comissão deve investigar os motivos pelos quais a a maioria dos assentamentos realizados no Brasil ainda depender de recursos públicos para se sustentar.

O deputado pontua que, dos 77 milhões de hectares em assentamentos feitos nas últimas duas décadas, somente 3% estão emancipados, sendo que 97% dependem ainda de recursos públicos. Isso demosntra que há alguma coisa errada, porque o que tem sido feito é transferir a miséria de lugar, ressaltou.

O parlamentar acredita que terá o número mínimo de 171 assinaturas na Câmara dos Deputados em duas semanas. Na tentativa de criar a CPMI do MST, a oposição conseguiu consolidar 168 assinaturas. Vamos recoletar essas assinaturas e, com certeza, vamos conseguir entre mais trezentas possíveis as três assinaturas que faltaram, afirmou.

No Senado, as assinaturas serão coletadas pela senadora Kátia Abreu (DEM-TO). São necessárias 27 assinaturas. Para a CPMI do MST, foram coletadas 34.

A proposta inicial pretendia investigar suspeita de atos ilícitos do movimento financiados por organizaçãoes não governamentais que recebem dinheiro público. Seriam quatro entidades suspeitas desta prática: Associação Nacional de Cooperação Agrícola (Anca), Confederação das Cooperativas de Reforma Agrária do Brasil (Concrab), Centro de Formação e Pesquisas Contestado (Cepatec) e Instituto Técnico de Estudos Agrários e Cooperativismo (Itac).  Elas teriam recebido R$ 20 milhões do governo entre 2003 e 2007.

Leia mais sobre: MST

    Leia tudo sobre: cpmicpmi do mstmst

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG