Oposição recorre e quer apoio do PT para abertura de processos contra Sarney

BRASÍLIA - A oposição vai ingressar nesta segunda-feira com os primeiros recursos contra o arquivamento sumário dos pedidos de investigação feitos em desfavor do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), no Conselho de Ética da Casa. Minoria no colegiado, opositores esperam que o PT apoie o desarquivamento, caso contrário, devem recorrer, num próximo momento, ao plenário do Senado.

Severino Motta, repórter em Brasília |

Agência Brasil
O presidente do Senado, José Sarney
De acordo com o líder do DEM, Agripino Maia (RN), deve haver recurso contra os 11 pedidos de investigação contra Sarney que foram arquivados pelo seu aliado, o presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ), sob o argumento de que as denúncias e representações eram baseadas em matérias de jornais e não traziam nenhum documento que comprovassem as ações irregulares.

"Nossa intenção é recorrer em todos os casos. Esperamos que o PT, que tem representantes no Conselho, vá contra esses arquivamentos em série. Assim, não vai ser preciso ir diretamente ao Plenário do Senado", disse Agripino.

Nesta segunda, os recursos devem ser contra três denúncias feitas pelo líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM). Duas delas pedem investigação sobre a fundação de Sarney, que, segundo o jornal "O Estado de S. Paulo", desviou recursos da Petrobras destinados a um projeto cultural. A terceira peça diz respeito a um suposto favorecimento do neto de Sarney, que operou crédito consignado para servidores do Congresso.

Ainda deve haver recurso contra o arquivamento de duas representações do PSol. Uma referente aos atos secretos relacionando-os a Sarney e outra ligando o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), às mesmas ações irregulares.

PT

O PT deve concordar com o desarquivamento de pelo menos um dos pedidos de investigação contra Sarney. O partido tem sido pressionado pelo Palácio do Planalto para seguir o parecer de Duque em todas as peças, mas a maioria dos senadores vai disputar as eleições em 2010, e teme ser prejudicado por fazer parte do grupo que tenta absolver o presidente do Congresso.

A interpretação dos senadores do PT é que, abrindo-se pelo menos um dos processos, provavelmente o pela nomeação de um namorado da neta de Sarney através de ato secreto, o peemedebista vai ser absolvido. Porém, os parlamentares poderiam fazer um discurso contra Sarney e pela investigação das irregularidades no Senado.

PSDB

Na próxima quarta-feira, o presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ), deve convocar sessão para analisar a representação do PMDB contra o senador Arthur Virgílio, que manteve um servidor na França, por mais de um ano, e autorizou que ele recebesse salário e até mesmo horas-extras.

Chamado de réu-confesso pela tropa de choque de Sarney, peemedebistas e aliados esperam usar o processo como moeda de troca para a absolvição do presidente do Senado.

Virgílio tem buscado o perdão da opinião pública através da admissão do erro e pela devolução dos recursos. Entende que, desta forma, ele fica num patamar superior aos aliados de Sarney e ao próprio presidente do Senado, que flagrados em situações semelhantes, alegaram desconhecimento.

No jogo das irregularidades do Senado também surgiu um outro personagem nesta segunda-feira. O jornal "Folha de S. Paulo" publicou que o presidente nacional do PSDB usou recursos do Senado para pagar diárias a sua filha numa viagem a Nova York (EUA). Tal como Virgílio, o tucano já fala em devolver os recursos.

O PMDB ainda não se manifestou sobre uma possível representação contra tal fato.

Leia também


Leia mais sobre crise no Senado



    Leia tudo sobre: crisepsdbptsarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG