Oposição planeja mirar na Petrobras na CPI das ONGs

Em represália à decisão do governo de ficar com a presidência e a relatoria da CPI da Petrobrás, que será instalada nesta terça-feira, os partidos de oposição não vão abrir mão de manter os dois postos de comando da comissão parlamentar de inquérito que apura irregularidades nas organizações não-governamentais (ONGs). Esta foi a saída encontrada pela oposição para tentar driblar a blindagem feita pelo governo na CPI da Petrobrás e avançar nas investigações de contratos entre a estatal do petróleo e ONGs.

Agência Estado |

O senador João Pedro (PT-AM) era, no domingo, o mais cotado para assumir a presidência da CPI da Petrobrás. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), deve ser escolhido relator.

"Não tem acordo nenhum com o governo. Se eles podem ficar com o comando da CPI da Petrobrás, nós podemos ficar com a relatoria e a presidência da CPI das ONGs", afirmou o líder do DEM, senador José Agripino (RN). "Se eles insistirem em ficar com os dois postos de comando, nós temos maioria e a CPI das ONGs não terá quórum", avisou o líder do PT, senador Aloizio Mercadante (SP). Ele lembrou que, quando a CPI das ONGs foi criada, em 2007, governo e oposição fizeram um acordo e cada um ficou com um dos postos de comando.

Mas, na semana passada, o presidente da CPI, senador Heráclito Fortes (PI), escolheu o líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM), como relator. Isso foi feito depois que Inácio Arruda (PC do B) saiu da CPI das ONGs para ingressar na CPI da Petrobrás também como titular - o regimento do Senado impede o acúmulo.

"A CPI das ONGs vai ter agora uma dinâmica mais acentuada. Vamos ter mais força para encaminhar investigações. E, quando o governo não deixar isso ocorrer, vai ficar escrachada a tentativa de abafa do governo", disse Agripino Maia, ao reconhecer que dificilmente a CPI das ONGs conseguirá aprovar requerimentos que acabem influenciando nas investigações da CPI da Petrobrás. Os governistas têm ampla maioria na comissão, são oito votos a favor do Planalto contra três de oposicionistas.

Além do senador João Pedro, a líder do governo no Congresso, senadora Ideli Salvatti (PT-SC), também é cotada para assumir a presidência da CPI da Petrobrás. "Há uma decisão política de que os dois postos de comando ficam com a base e eu defendo que o PT fique com a relatoria. Mas ainda não há uma decisão de quem será o relator", disse João Pedro.

(Com informações do jornal "O Estado de São Paulo")

Leia mais sobre: CPI das ONGs

    Leia tudo sobre: cpi ongs

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG