Operação é normal nos aeroportos de São Paulo e Brasília após anúncio de greve

Segundo a Infraero, greve afeta terminal de cargas de Viracopos, em Campinas. Passageiro ainda não foi atingido pela paralisação

iG São Paulo |

Os funcionários dos aeroportos de São Paulo e Brasília inciaram a paralisação de 48h à 0h desta quinta-feira. Até o momento, a greve não tem afetado diretamente os passageiros que utilizam os terminais dos aeroportos de Cumbica (Guarulhos/SP), Viracopos (Campinas/SP) e Presidente Juscelino Kubitschek (Brasília). Os aeroportuários anunciaram a interrupção das atividades com o objetivo de protestar contra o modelo de privatização destes três aeroportos , que estão no cronograma do governo federal. A expectativa é que os leilões aconteçam até o início de 2012. Juntos, os aeroportos têm 3 mil funcionários.

Leia também: Aeronáutica manterá aeroportos funcionando em SP e Brasília

Futura Press
Faixas contra a privatização foram colocadas pelo sindicato. Na foto, terminal de Cumbica

Cerca de 80% do efetivo dos funcionários da Infraero teriam aderido à paralisação em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo. O Sindicato dos Aeroviários promoveu, durante a madrugada, na área de serviços dos funcionários da Infraero, uma aglomeração, com carro de som, de cerca de 30 pessoas. Um grupo de 20 membros do Movimento dos Sem Terra (MST), que estaria apoiando a greve, dormia próximo ao saguão.

O passageiro que esteve em Cumbica praticamente não sentiu dificuldades para embarcar ou desembarcar . Às 17h está prevista uma passeata pelo saguão do aeroporto, segundo o sindicato da categoria. O presidente do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), Francisco Lemos, afirmou que a greve serve para mostrar à população apenas um pouco da 'escuridão' em que estes três aeroportos ficariam caso o governo privatize os serviços.

De acordo com o levantamento da Infraero, em Cumbica, entre 0h e 12h, dos 100 voos programados, apenas quatro sofreram atrasos e outros quatro foram cancelados.

Viracopos

Assim como em Garulhos, a situação do Aeroporto Internacional de Viracopos não apresenta situação complicada ao passageiro. Ainda não há números e informações de funcionários que teriam aderido à greve. Porém, o reflexo da paralisação pôde ser sentido somente no terminal de cargas do aeroporto.

Segundo a Infraero, até o momento, a movimentação de cargas do sistema só opera parcialmente com alimentos perecíveis e animais vivos. Cargas relacionadas a importação e exportação e outros tipos de movimentação seguem paralisados desde o início da greve. Como a área não possui administradores e funciona com escalas de funcionários, não há previsão das operações serem retomadas. Dos 47 voos previstos, dois voos estavam atrasados e três foram cancelados.

Distrito Federal

Em Brasília, um carro de som dos sindicalistas foi posicionado na plataforma de desembarque desde a meia-noite. Cerca de 70% dos 30 funcionários do turno das 23h às 7h aderiram à paralisação. Ainda não há números de adesão no período da manhã. Segundo balanço da Infraero, às 12h, no Aeroporto Presidente Juscelino Kubitschek, entre 90 partidas programadas, apenas quatro voos foram cancelados e outros sete estavam atrasados.

Em todos os terminais, a Infraero dizia que reflexo da greve poderia ser sentido durante o horário de pico de desembarque, a partir das 9h da manhã. Porém, até o momento o ato não causou choque no sistema aéreo e as operações seguem normais. Procurada pela reportagem do iG , em todos os sistemas com funcionários em greve, o órgão confirmou que o plano de contingência consegue evitar maiores transtornos para passageiros.

*com AE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG