Policiais militares ocupam acampamento de sem-terra no Rio Grande do Sul " / Policiais militares ocupam acampamento de sem-terra no Rio Grande do Sul " /

Operação da polícia militar no RS prende três colonos do MST

BRASÍLIA - Três colonos sem terra foram presos até agora em ação da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, iniciada na manhã desta quinta-feira. Segundo Vera Rodrigues, coordenadora regional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Estado, os três foram detidos por desacato a autoridade. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/08/policiais_militares_ocupam_acampamento_de_sem_terra_no_rio_grande_do_sul_1303247.html target=_topPoliciais militares ocupam acampamento de sem-terra no Rio Grande do Sul

Agência Brasil |

Vera conta que chegou à fazenda onde o MST está acampado, no município de São Gabriel (RS), às 6h, junto com os homens da brigada. No entanto, ela diz que não permitiram que nem ela nem a advogada das famílias, Cláudia Ávila, entrassem no acampamento.

De acordo com a coordenadora, logo no início da ação, o coronel responsável afirmou que os policiais iriam pegar tudo o que achassem que não deveria estar lá. Entre os objetos procurados estariam armas, que, segundo Vera, não foram encontradas. Ela afirma que não foi informado o número de homens da brigada que participaram da ação, mas que eram seguramente muito mais de 500, mobilizados de diferentes partes do Rio Grande do Sul.

No momento, a coordenadora diz que a informação do nosso povo lá dentro é que estão fazendo a identificação de cada pessoa, segundo ela, de forma humilhante, separando as famílias em grupos a cerca de 500 metros do acampamento, colocando todos sentados, de cabeça baixa e sem poder se movimentar. De acordo com ela, a escola itinerante que funcionava no local foi destruída.

Ela afirma que o coronel fez questão de dizer, antes de entrar no acampamento, por volta das 9h, que o Estado do Rio Grande do Sul se envergonha de não ter feito a identificação das famílias no momento da saída da Fazenda Southall, em abril. Na ocasião, os trabalhadores sem terra saíram pacificamente da propriedade ocupada, após acordo com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Segundo informações da assessoria de imprensa do Incra e do deputado federal Adão Pretto (PT-RS), o juiz da Comarca de São Gabriel autorizou a entrada do assessor do Incra Leonardo Melgarejo, do ouvidor agrário do Estado, Adão Paiani, e do deputado federal no acampamento. A área está bloqueada num raio de 4 quilômetros.

Leia mais sobre: MST

    Leia tudo sobre: mst

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG