Operação da PF contra caça-níqueis prende 13 no Rio

Treze pessoas foram presas acusadas por exploração de máquinas de caça-níqueis na Região Serrana do Rio. Entre os acusados, estão um policial civil da 110ª Delegacia de Polícia de Teresópolis, que permanece foragido e que atuaria como informante da quadrilha.

Agência Estado |

Um policial militar lotado no batalhão da mesma cidade, foi preso em flagrante em sua casa, onde mantinha máquinas do jogo de azar, documentos e computadores. Foi a segunda operação da PF na Região Serrana este ano para coibir o jogo ilegal.

A ação policial, que teve início nesta madrugada, reuniu cerca de 160 agentes. O delegado a PF Victor Poubel, responsável pelas investigações, estimou que a quadrilha movimentava cerca de R$ 300 mil por semana. Dez dos presos tinham mandados de prisão expedidos. Os demais são donos de estabelecimentos onde estavam instaladas máquinas de caça-níqueis e foram presos em flagrante. "Eles serão indiciados por corrupção, contrabando, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha", declarou Poubel. Além das máquinas de caça-níqueis, a operação batizada de "Serra dos Órgãos", também resultou na apreensão de R$ 700 mil em espécie, nove carros, duas motos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG