Um bebê paquistanês foi contaminado pela poliomielite, informou hoje um funcionário da Organização Mundial de Saúde (OMS). O bebê vive no vilarejo Ali Gram, no Vale do Swat, uma área onde militantes fizeram uma campanha contra a vacinação, informou o médico Khaliz Nawaz, funcionário da OMS que supervisiona autoridades de saúde locais.

Segundo Nawaz, a intenção das autoridades é retomar as vacinações, após um acordo de paz alcançado neste ano entre militantes e o governo.

Segundo o funcionário da OMS, o último caso registrado da doença em Swat havia ocorrido em 2003. O bebê está com pólio tipo 1, a cepa mais perigosa e contagiosa da doença. Nawaz informou ainda que em 2007 houve 28 casos registrados de pólio no país. Até agora, neste ano, houve 17 casos, mas o médico se disse confiante de que é possível conter o avanço da doença até o fim de 2008.

Ameaças aos encarregados pela aplicação das vacinas e confrontos entre forças do governo e militantes interromperam as vacinações em quase metade do Vale do Swat desde novembro de 2007, apontou Nawaz.

Um clérigo pró-Taleban que vive no Vale do Swat, Maulana Fazlullah, é contrário às vacinações. O religioso teria dito que essa medida é na verdade uma conspiração para tornar os muçulmanos inférteis. No ano passado, partidários de Fazlullah tomaram controle de parte do vale, no noroeste paquistanês, e na região de fronteira com o Afeganistão. Em seguida o Exército retomou o controle da área, empurrando os rebeldes para as montanhas.

A pólio foi eliminada de quase todos os países, com exceção de pouco mais de dez deles, segundo a OMS. A doença permanece endêmica no Afeganistão, no Paquistão, na Índia e na Nigéria.

Crianças com menos de cinco anos são as principais vítimas e o contágio se dá quando pessoas não vacinadas entram em contato com as fezes de pessoas contaminadas com o vírus, geralmente através da água. Ela ataca o sistema nervoso, provoca paralisia, atrofia muscular, deformação e, em muitos casos, a morte. Apenas uma em cada 200 crianças infectadas desenvolve os sintomas.

AE-AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.