OMS: até 2030, trânsito matará mais que aids no mundo

Em pouco mais de vinte anos, acidentes de trânsito matarão mais que a aids e o vírus HIV deixará de ser a única prioridade da comunidade internacional. Um estudo apresentado hoje pela Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que as sociedades viverão uma transformação nas causas de morte até 2030.

Agência Estado |

A aids, que hoje mata 2,2 milhões de pessoas por ano, continuará aumentando até 2012. Mas a partir daí, vai sofrer uma queda brusca e fará 1,2 milhão de vítimas até 2030, e não mais de 6 milhões, como se previa antes.

Segundo a OMS, as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no mundo, superando a aids, tuberculose, malária ou mesmo homicídios. Os dados, porém, são de 2004, último ano em que a OMS possui informações para os 193 países do planeta. Naquele ano, foram 58,8 milhões de mortes. Um quinto delas ocorreu em crianças de até cinco anos de idade. O relatório da OMS sobre as doenças no mundo é publicado apenas a cada cinco anos.

Na África, metade das mortes são de jovens com menos de 16 anos. Nos países ricos, apenas 1% das mortes envolve essa parcela da população - 84% das mortes nos países ricos são de pessoas com mais de 60 anos de idade. Por ano, 10,4 milhões de crianças morrem no mundo, e metade dessas mortes ocorre na África.

Na liderança absoluta das causas de morte estão os ataques cardíacos, responsáveis por 12% das vítimas, seguido por AVC, com 9,7%. Em terceiro lugar vem as doenças respiratórios, seguida por pneumonia. Para 2030, porém, a situação será diferente. A mortalidade deve cair, especialmente as causadas por doenças transmissíveis. O caso mais notório é o da aids e da malária.

Em 2004, 2 milhões de pessoas morreram de aids. Neste ano, matou 200 mil a mais. O número continuará crescendo até 2,4 milhões em 2012, segundo o relatório. Mas com as campanhas, acesso a remédios e programas de ajuda, a tendência será revertida. Em 2030, a OMS estima que serão 1,2 milhão de mortos por causa da aids. A previsão anterior mostrava que 6,3 milhões de pessoas morreriam em razão da doença por ano até 2030.

Hoje, a aids já não está entre as dez maiores causas de morte nos países ricos. Nos países de renda média, como o Brasil, o vírus do HIV também não faz parte da lista dos dez maiores responsáveis. Já nos países mais pobres, é a quarta maior causa. No total, portanto, a aids era a sexta maior causa de mortes no mundo em 2004. Em 2030, cairá para o décimo lugar e acidentes de carros irão superar o vírus do HIV como maior responsável por mortes.

Até lá, as mortes causadas por acidentes vão aumentar de 1,3 milhão para 2,4 milhões, de acordo com a OMS. Os acidentes passarão a ser o quinta maior responsável pelas mortes, principalmente com o crescimento econômico nos países em desenvolvimento e o acesso de um número maior de pessoas a carros.

Câncer

Outro fator importante será o envelhecimento das populações, diante do maior desenvolvimento econômico. O número de mortes por câncer vão aumentar e as doenças não-transmissíveis serão responsável por 75% das mortes no mundo, informou o estudo da OMS. O câncer passará de 7,4 milhões de vítimas em 2004 para 11,8 milhões em 2030. As doenças cardiovasculares continuarão na liderança, passando 17 milhões de mortes em 2004 para 23,4 milhões.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG