Oliver Stone diz que filme sobre Bush não tem maldade

Por Jill Serjeant LOS ANGELES (Reuters) - A cinebiografia do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, dirigida por Oliver Stone, certamente seria controversa, dadas as inclinações liberais do diretor.

Reuters |

Além disso, Stone decidiu optar pela estréia de "W." nos cinemas dos Estados Unidos apenas três semanas antes dos norte-americanos escolherem seu próximo presidente -- uma atitude calculada para levar os eleitores a refletir sobre os últimos oito anos e sobre o futuro.

O filme é parte drama, parte sátira, mas, ainda assim, o diretor de "JFK" e "Nixon" argumenta que ele não é uma crítica destrutiva a Bush -- e até agora, os críticos concordam. O veredicto final será conhecido na estréia em 17 de outubro.

"Seja quem for o vencedor da eleição, o impacto de Bush mudou o mundo", disse Stone à Reuters. "Esse homem nos deixou com três guerras -- Iraque, Afeganistão e a guerra contra o terror -- e o legado do ataque preventivo", acrescentou o diretor.

"Estes são legados que irão assombrar seu sucessor por anos. É bom que as pessoas, antes da eleição, pensem sobre quem elegeram oito anos atrás, e sobre onde nós estamos como um país agora", disse o vencedor de três Oscars.

Com o ator Josh Brolin no papel principal, "W." é um raro filme sobre um presidente norte-americano em ofício, feito por um diretor cujos filmes passados foram criticados por misturarem fato e ficção.

Stone diz que a audiência não irá ver o retrato de oposição que seus críticos esperam do diretor do filme sobre a guerra do Vietnã "Platoon" e do documentário sobre Cuba "Procurando Fidel".

"Não foi nossa intenção trazer maldade ou julgamento sobre George W. Bush e seu governo. Ele e seu governo claramente falam por si mesmos", disse Stone.

"W." mostra a transformação de Bush de privilegiado e beberrão "filhinho-de-papai" na faculdade, para convertido religioso; sua ascensão de governador do Texas a presidente dos Estados Unidos, e suas decisões nas semanas antecedentes à invasão norte-americana do Iraque.

A porta-voz de Bush Dana Perino disse que a Cassa Branca tinha "coisas muito mais importantes para fazer do que comentar um filme ridículo". Mesmo com Stone dizendo que ele e o roteirista Stanley Weiser deixaram "suas convicções políticas estacionadas na porta".

"O filme tenta entender Bush e torná-lo um ser humano", disse Stone. "Tentei ser justo e equilibrado. Tentei não tomar um partido".

Stone faz da relação de Bush com seu pai, o ex-presidente George H. W. Bush, a principal peça dramática de "W.".

O filme destaca a juventude de Bush como a "ovelha negra" da dinastia Bush, e reconstrói suas reuniões com conselheiros políticos e militares antes da invasão do Iraque em 2003. A questão do Iraque possui a maior parte de sátira do filme. Bush compara as novas regras de tortura em Guantanamo aos seus "trotes" de iniciação na faculdade.

Brolin, que captura o ar de superioridade e o charme de Bush, disse que tinha dúvidas iniciais sobre se aceitaria ou não o papel, mas lendo o roteiro, ficou tocado e entristecido. Ele decidiu que "é o maior desafio que um ator pode ter".

"Bush é uma personalidade exagerada ... Tentamos criar um drama com a realidade daqueles exageros, mas não acho que isso seja palhaçada", disse Brolin.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG