Em 2008, grande parte dos filmes do festival de animação Anima Mundi tinha personagens que discutiam suas relações. Nesta edição, que começa dia 22, no Memorial da América Latina e no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o problema se transformou em patologia.

Temos um bom número de filmes que abordam doenças psicológicas, conta Marcos Magalhães, um dos quatro idealizadores da mostra. Porém, além de discutir patologias, os participantes podem aprender nas oficinas diárias do evento várias técnicas para produzir animações.

Um dos exemplos é a animação franco-inglesa Dix', exibida no Festival de Veneza, sobre um homem com TOC que não pisa em linhas. Os 401 filmes do evento estão organizados em mostras competitivas de curtas, obras infantis e trabalhos de portfólio (filmes publicitários e videoclipes). Há também nove longas-metragens, que voltaram a ganhar destaque nesta edição, e uma mostra não-competitiva internacional (Panorama). As informações são do Jornal da Tarde .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.