Offshore foi aberta a pedido da Alstom, afirma francês

Engenheiro francês contratado em 1996 pela Alstom para fazer assistência técnica e comercial para viabilização de contrato com a Eletropaulo, Jean Pierre Courtadon confirma a ação do principal suspeito de negociação de propina entre a multinacional e o governo paulista, o empresário Claudio Luiz Petrechen Mendes. A Alstom é investigada no Brasil, na Suíça e França por suposto pagamento de propina para obter contratos com estatais em São Paulo e no País, negociados por Mendes.

Agência Estado |

Courtadon relata que, durante a sua gestão em uma das empresas do grupo Alstom, a Cegelec, o empresário fazia propostas de assistência comercial, mas nunca teria prestado serviços. “Cheguei a conhecê-lo no período em que ocupava a função de executivo da Cegelec, até 1996, e estava propondo serviços de assistência comercial. Afirmo categoricamente que tanto nas minhas atividades na Cegelec, quanto nas minhas atividades de consultor, jamais solicitei qualquer serviço e fiz qualquer negócio com este senhor.”

O Ministério Público suíço aponta Courtadon como dono da Andros Management, offshore com conta em Genebra e sede nas Bahamas. A Andros recebeu, mostram os suíços, o equivalente a R$ 565 mil, ou 1,4 milhões de francos franceses, para pagamento de serviços de consultoria. Auditores que trabalharam para a comissão bancária federal suíça descobriram documentos que detalham envio ilegal de US$ 31 milhões pela Alstom. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG