Obras terão de parar se Exército deixar favela, diz Jobim

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse hoje que se a decisão da Justiça que ordena a retirada das tropas do Exército do Morro da Providência, na região central do Rio de Janeiro, for mantida, obras de reurbanização da favela, prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), terão de ser paralisadas. A retirada das tropas significa a paralisação das obras.

Agência Estado |

Se isso acontecer, o Poder Judiciário vai ter que dar uma solução", afirmou.

Para o ministro, a Força Nacional de Segurança (FNS) "não tem nada a ver" com as obras. "Isso é um projeto do Ministério da Defesa com o Ministério das Cidades. Se o Exército tiver que sair, a Justiça que dê uma solução", disse Jobim. Ele também reiterou que a Advocacia Geral da União (AGU) vai recorrer da decisão da Justiça. "Evidentemente que a AGU vai entrar com recurso."

Mais uma vez Jobim reconheceu que a morte dos três jovens, entregues por 11 militares a traficantes rivais do Morro da Mineira, na zona norte do Rio, foi "um incidente abominável que nós rechaçamos de forma absoluta", mas que, segundo ele, não tem a responsabilidade do Exército. "Há uma responsabilidade da União, tanto é que nós já estamos examinando uma forma de indenização a essas famílias."

O ministro da Defesa ainda negou que na próxima semana o presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá fazer uma visita ao Morro da Previdência. "Não tem nada disso, ele não vai fazer visita ao Morro da Providência", disse.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG