Obra de Picasso foi encontrada através de denúncia anônima, diz polícia

SÃO PAULO - A obra Minotauro, Bebedouro e Mulheres¿, de Pablo Picasso foi encontrada a partir de uma denúncia anônima, de acordo com informações do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic). Devido a uma ligação recebida na manhã da última sexta-feira dizendo que havia uma obra de um museu em Paraisópolis, a polícia fez uma operação na favela, localizada na zona sul de São Paulo. Como nada foi encontrado, deixou o número de telefone do Deic com os comerciantes da região.

Carolina Garcia, do Último Segundo |

Na tarde de sexta-feira, por volta das 18h30, os policiais receberam outra ligação anônima que deu a localização exata do quadro: a obra estaria no quilômetro 13 da rodovia Raposo Tavares, embaixo de uma passarela, embrulhada em papel e atrás de árvores.


Como medida de segurança, a polícia não divulgou a descoberta, esperando para verificar a autenticidade da obra, que foi reconhecida nesta manhã pelo diretor da Pinacoteca, Marcelo Araújo.

Em entrevista coletiva concedida na tarde desta segunda-feira, na Secretaria de Segurança Pública (SSP), o delegado geral do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), Aldo Galeano, disse que estavam com a obra desde sexta-feira, "porém, como cautela, esperamos que a Pinacoteca reconhecesse a autenticidade da obra".

Em ótimas condições, o quadro foi encontrado totalmente fechado com papel pardo e plástico bolha e levava a moldura original. O delegado André Antiqueira, do 34º DP, disse que "diante do estado da obra, ficamos em dúvida de que fosse a verdadeira".

Segundo o diretor da Pinacoteca, Marcelo Araújo, "aparentemente o quadro não sofreu nenhum dano". Mas ele ressaltou que serão feitos exames mais detalhados com os recursos de que a Pinacoteca dispõe para verificar se a obra não sofreu danos que não puderam ser reconhecidos a olho nu.

Araújo também disse que algumas medidas já foram tomadas para aprimorar a segurança da Pinacoteca. "Agora há detectores de metais e guardas armados na entrada e na saída do prédio". Outras medidas não reveladas serão tomadas até o final do ano. Ele não disse a quantia de dinheiro investida, apenas que é um "valor significativo".

Segundo a polícia, Paulo Cesar Soares, Constantino de Oliveira, o dono da casa onde os quadros "Mulheres na Janela", do pintor Di Cavalcanti, e "O casal", de Lasar Segall, foram encontrados e Marcelo Dias dos Santos, o suposto responsável por elaborar o plano do furto à Pinacoteca e que tem passagem pela polícia por homicídio, ainda estão foragidos. 

O diretor da Pinacoteca saiu do prédio da SSP fortemente escoltado e com a obra em suas mãos. "O quadro retorna hoje à Pinacoteca, mas não temos previsão de quando ele voltará a ser exposto", afirmou. 

Araújo entrará em contato com a Fundação José e Paulina Nemirovsky, que é a dona da gravura, para decidir quando ela voltará a ser exposta ao público.

Leia mais sobre: Estação Pinacoteca

    Leia tudo sobre: pinacoteca

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG