Obra de Machado de Assis é declarada patrimônio cultural carioca

RIO DE JANEIRO ¿ Um decreto municipal da Prefeitura do Rio, publicado nesta segunda-feira, declarou a obra do escritor Machado de Assis como patrimônio cultural carioca. A homenagem acontece no dia em que se completam 100 anos da morte do autor.

Redação |

Acordo Ortográfico

Aproveitando a data, também foram tombados provisoriamente as fachadas e os telhados de dois imóveis onde o escritor morou. Quaisquer intervenções físicas nesses prédios deverão ser previamente aprovadas pelo Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro.

Um dos imóveis está localizado na rua dos Andradas, número 147, onde

Divulgação
Centenário da morte do autor é celebrado hoje
Machado de Assis viveu entre 1869 e 1871. O outro fica na rua da Lapa, número 242, endereço em que ele residiu entre 1874 e 1875.

Considerado o maior autor da literatura brasileira, Joaquim Maria Machado de Assis foi romancista, jornalista, contista, cronista, poeta e teatrólogo. O escritor nasceu no Rio de Janeiro, em 21 de junho de 1839, e faleceu em sua casa, no Cosme Velho, na capital fluminense, no dia 29 de setembro de 1908.

Machado de Assis foi o fundador da cadeira número 23 da Academia Brasileira de Letras (ABL), que presidiu por mais de dez anos. Entre suas obras mais importantes estão os livros Dom Casmurro, O alienista, Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Memorial de Aires.

Sessão solene

A Academia Brasileira de Letras realiza nesta segunda-feira, às 15h, uma sessão solene de celebração do centenário da morte de Machado de Assis. O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, presidirá a cerimônia, na qual, em seguida, assinará quatro decretos de promulgação do Acordo Ortográfico dos Países de Língua Portuguesa.

De acordo com o presidente da ABL, Cícero Sandroni, com esses atos, Machado de Assis será duplamente exaltado: de um lado, a Academia lhe rende a mais expressiva homenagem neste ano em que celebramos o centenário de sua morte. De outro, a assinatura pelo presidente Lula dos decretos que promulgam o Acordo Ortográfico dos sete países lusófonos, ato que concretiza uma aspiração de Machado, no discurso de encerramento do ano acadêmico de 1897: A Academia buscará ser a guardiã de nosso idioma, fundado em suas legítimas fontes ¿ o povo e os escritores, todos os falantes de língua portuguesa.

Leia mais sobre: Machado de Assis


    Leia tudo sobre: machado de assis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG