Obra de artista mexicano transforma público em antena de rádio em Londres

LONDRES ¿ O artista mexicano Rafael Lozano-Hemmer inaugurou no centro Barbican, em Londres, uma obra interativa que transformará o público em uma antena de rádio pouco convencional capaz de captar as freqüências da capital britânica.

EFE |

"Freqüência e Volume" está instalada desde quinta-feira na galeria The Curve e ficará no local até 18 de janeiro de 2009. O espectador transitará pela galeria e, por meio de suas sombras exibidas em uma parede, poderá sintonizar as estações de rádio, captar freqüências de táxi, comunicações de aviões e até da Polícia.

As pessoas são fundamentais para a obra deste mexicano, segundo ele mesmo disse. Sem elas, sua arte morre, pois só haverá som quando os projetores de luz jogarem sombras na parede. "As pessoas têm muita mais sofisticação que os museus e os próprios artistas", disse ele.

"Freqüência e Volume" torna visíveis as milhares de ondas de rádio que rodeiam as pessoas continuamente sem que elas apreciem sua existência. O artista explicou que o movimento mexicano dos anos 1920, chamado Estridentismo, que experimentava a idéia de "homem antena" e brincava com o espectro radioelétrico, lhe serviu de inspiração para criar esta obra.

A exposição também é uma crítica ao poder dos Governos e das empresas para estar presentes nesse espectro radiofônico, enquanto deixa de fora as vozes de muitas pessoas e renuncia à coesão social que a rádio permite.

No entanto, Lozano-Hemmer destacou que no Reino Unido há uma tradição de estações piratas nas quais artistas e amadores podem falar ao mundo, por isso considerou a importância da instalação da obra no Barbican.

O mecanismo utilizado para iniciar a instalação é muito complexo, o que foi constatado pelas longas horas da montagem, e requer uma combinação de tecnologia, robótica e redes telemáticas. A posição do espectador, seu tamanho e sua forma determinam o canal sintonizado, que pode ser desde a rede pública BBC a uma estação pirata, passando por emissoras de negócios ou astronomia e outras de sucessos musicais.

Quanto mais perto da parede, mais baixo será o volume, já que a sombra ficará menor. Em outras ocasiões, Lozano-Hemmer premia a interação social dos vão apreciar sua obra. Quando as sombras de várias pessoas se encontram, as distintas freqüências que estavam sintonizando de forma independente mudam para uma única emissora.

Lozano-Hemmer, que em 2007 foi escolhido para representar o México na Bienal de Veneza, iniciará em 14 de outubro uma exposição na galeria londrina Haunch of Venison, que acolherá sete obras interativas.

Em 14 de novembro, apresentará seu projeto para Trafalgar Square, onde encherá com projeções interativas três mil metros quadrados de superfície em pleno centro da capital britânica.

O artista também inaugurou recentemente na Cidade do México um memorial às vítimas do massacre de estudantes de 1968, intitulada "Voz alta", um projeto no qual tentou transformar a voz em luz e vice-versa. Atualmente, ele exibe uma obra em Lima e prepara uma instalação para a abertura do Museu Universitário de Ciências e Artes do México.

(Violeta Molina)

    Leia tudo sobre: artes plásticas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG