Objetos e móveis devem ser adquiridos em lojas especializadas

Objetos e móveis devem ser adquiridos em lojas especializadas Por Eleni Trindade Por mais paradoxal que seja a ideia, objetos antigos servem para dar cara nova na decoração de uma residência.Tomando todos os cuidados com a procedência dos produtos e fazendo a instalação de forma correta, um item de antiquário ou uma janela antiga dão uma diferenciação no ambiente e funcionam como verdadeiras obras de arte, afirma o engenheiro Alexandre Souza Lima, sócio-diretor da Souza Lima Construtora.

Agência Estado |

Segundo a arquiteta Clélia Regina Angelo, a combinação de produtos antigos com móveis e revestimentos mais atualizados deixam os ambientes mais valorizados. "O clássico com o novo deixa os ambientes mais leves e bonitos." A designer de interiores Karina Arruda também gosta de fazer combinações variadas e recomenda a utilização de peças dos anos de 1950 e 60.

"Gosto muito dos móveis e objetos decorativos desse período porque são feitos com materiais de excelente qualidade e com design futurista", destaca ela. "O ideal é usar objetos de família, porque eles têm uma história, mas mesmo objetos comprados em antiquários conservam esse caráter porque, na maioria das vezes, foram feitas de forma artesanal, quase artística."

Em seus projetos, a designer costuma colocar novas cores e texturas nos itens recuperados. "Gosto de combinar os materiais que temos agora, como tintas e tecidos modernos, à qualidade mobiliária de outras épocas. Dou novas cores às peças sem mexer no design", explica ela. "Uma peça original e bem conservada vai ser o centro das atenções de qualquer ambiente da casa."

SUSTENTABILIDADE
Na opinião da especialista, outra grande vantagem de usar móveis e objetos antigos é colaborar com a sustentabilidade do planeta. "Querendo ou não, quando reaproveitamos itens usados estamos colaborando para reduzir a quantidade de resíduos. É uma prática muito atual. Usar objetos antigos é uma verdadeira reciclagem, pois muitos itens que estavam no lixo ou abandonados em depósitos podem ser transformados em bonitas peças decorativas", diz ela.

Ao escolher os objetos que vão fazer parte da sua casa, os especialistas dizem que o mais importante é o comprador se sentir bem e feliz com as peças, mas deve ter cuidado com a procedência delas. A arquiteta Clélia Regina Angelo orienta as pessoas que não têm muita familiaridade com o mercado a buscar referências sobre lojas especializadas em antiguidades com arquitetos e designers de interiores. "É preciso tomar cuidado para não comprar peças ruins ou com defeitos. O ideal é ter contato com um profissional do setor para indicar ou pesquisar a procedência do antiquário, mas feiras de antiguidade também podem ser um bom ponto de partida porque geralmente reúnem pessoas confiáveis e que atuam há muito tempo no mercado."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG