A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) quer barrar o ingresso na advocacia de magistrados suspeitos de corrupção. A entidade estuda medidas para impedir que juízes afastados das funções por improbidade ou delito grave possam receber registro na OAB para exercer papel de advogado.

"Se não serve para ser juiz não servirá para ser advogado", declarou Ophir Cavalcante, presidente nacional da entidade.

Ophir submeterá a proposta ao Colégio de Presidentes de Seccionais da OAB, que vai se reunir domingo na sede do Conselho Federal do órgão, em Brasília. O veto ganhou força a partir do julgamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que decretou aposentadoria compulsória para três desembargadores e sete juízes do Mato Grosso envolvidos em suposto desvio de R$ 1,4 milhão do Tribunal de Justiça (TJ) estadual. O dinheiro teria sido destinado para uma loja maçônica da qual era grão-mestre um ex-presidente da corte.

"Vamos construir uma barreira para impedir que o cidadão corra o risco de ser prejudicado em sua vida por inescrupulosos que deveriam dar exemplo de ética e retidão e foram expulsos da magistratura e podem futuramente bater às portas da Ordem", disse o presidente da OAB. "Espero que encontrem fechadas essas portas." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.