Policiais civis fazem passeata em SP http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/10/apos_intervalo_de_48_horas_policiais_civis_entram_em_greve_novamente_2016909.html target=_topApós intervalo de 48 horas, policiais civis entram em greve novamente" / Policiais civis fazem passeata em SP http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/10/apos_intervalo_de_48_horas_policiais_civis_entram_em_greve_novamente_2016909.html target=_topApós intervalo de 48 horas, policiais civis entram em greve novamente" /

OAB mediará encontro entre Sindicato e Secretaria de Segurança

SÃO PAULO ¿ A Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP) quer mediar o diálogo entre o governo e a Polícia Civil do Estado, que está em greve. A decisão foi tomada durante uma reunião que aconteceu nesta sexta-feira na sede da entidade, e contou com a presença de diretores dos sindicatos dos policiais civis. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/10/policiais_civis_fazem_passeata_em_sp_para_reinvindicar_aumento_de_salario_2024960.html target=_topPoliciais civis fazem passeata em SP http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/10/apos_intervalo_de_48_horas_policiais_civis_entram_em_greve_novamente_2016909.html target=_topApós intervalo de 48 horas, policiais civis entram em greve novamente

Redação |

Acordo Ortográfico

O presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges DUrso, resumiu o papel da instituição, que será o de tentar sensibilizar os dois lados, mas sem tomar nenhum partido.

A entidade pretende colaborar nesse diálogo para que se chegue o quanto antes a esse ponto de convergência, a um ponto comum, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia, José Martins Leal, disse que se o governo insistir que só abre diálogo se houver paralisação da greve, a greve não acabará. A Secretaria Estadual de Gestão informa que só irá negociar quando a paralisação for encerrada.

Leal ainda disse que o governo precisa apresentar uma proposta real, e que está difícil retomar o diálogo sem um aintermediação. Para ele, a OAB-SP está disposta a fazer gestões para aproximar governo e policiais civis. Ele afirma que,  para o governo José Serra (PSDB), os policiais são uma despesa e não como gente".

O presidente do Sindicato dos Escrivães, Valter Honorato, também se manifestou e espera que a OAB colabore para o avanço do diálogo.
Honorato disse que não aceita as alegações do  secretário de Gestão, Sidney Beraldo, de que o Estado não tem condições de atender as reivindicações salariais da categoria. 

Se não anunciássemos a greve, passaríamos 2008 sem aumento. A Constituição Federal,  que manda reajustar os salários, não está sendo cumprida. A Polícia Militar precisa de aumento também e não entra em greve porque o Código Penal impede, declarou.

Posição da OAB

O presidente da OAB-SP pretende procurar o secretário de Gestão Pública e o secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, para um diálogo.

Vou levar a ambos o que foi conversado nesta reunião com o sindicato e as associações. Estamos assistindo a um momento preocupante, com uma greve pioneira da Polícia Civil, que dura mais de 20 dias, sem perspectiva de chegar ao fim", disse DUrso.

Leia mais sobre: greve - polícia civil

    Leia tudo sobre: grevepolícia civilprotestosão paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG