O novo De Niro? DiCaprio é o novo astro dos filmes de Scorsese

Por Christine Kearney NOVA YORK (Reuters) - Leonardo DiCaprio pode não lembrar Robert De Niro quando jovem, mas assumiu um dos legados recompensadores do ator nova-iorquino.

Reuters |

DiCaprio conquistou fãs e virou atração de bilheteria com "Titanic". Agora tornou-se o astro preferido do cineasta norte-americano Martin Scorsese, cuja dupla com De Niro lançou as carreiras de ambos, com filmes como "Taxi Driver" e "Touro Indomável".

Os nomes de DiCaprio e Scorsese já apareceram juntos em "Gangues de Nova York" e "O Aviador". Agora, com o quarto filme juntos, "Ilha do Medo", os dois estão virando sinônimos de bom cinema.

O thriller psicológico fará sua première no festival de cinema de Berlim neste fim de semana e chega aos cinemas dos EUA em 19 de fevereiro.

"Para mim, é muito simples", disse DiCaprio, 35 anos, sobre o trabalho com Scorsese. "Estou tendo a oportunidade de trabalhar com o diretor mais perfeito de meu tempo."

Em "Ilha do Medo", DiCaprio, faz um detetive de aparência desleixada que investiga um assassinato ocorrido em um hospício numa ilha isolada perto de Massachusetts. O filme é baseado no romance "Shutter Island" (2003), de Dennis Lehane.

DiCaprio descreveu o filme como "um thriller com aspectos de horror gótico e psicológico". Alguns críticos o comparam a "Cabo do Medo" (1991), também de Scorsese e estrelado por De Niro, com quem o diretor já fez nove longas.

MENTOR E AMIGO

Scorsese, 67 anos, que ganhou um Oscar por "Os Infiltrados", reconheceu a dupla que vem formando com DiCaprio e a comparou com o trabalho com seus atores favoritos anteriores, Harvey Keitel e Robert De Niro.

"Às vezes você se conecta com um ator de maneiras que não consegue explicar", disse ele recentemente ao jornal USA Today, falando de DiCaprio.

"Eu senti isso com Harvey, senti isso com Robert e sinto agora. A gente desenvolve um ritmo que é difícil de encontrar neste ramo de trabalho. Mas, se você o encontra, não pode deixá-lo desaparecer."

DiCaprio disse que o relacionamento com Scorsese vem se fortalecendo graças ao grande tempo passado com o diretor nos sets de seus filmes.

"Não há desavenças, não há atritos, porque ele me deixa fazer o que eu quero", disse DiCaprio, observando que ele e Scorsese têm origens semelhantes e gostos cinematográficos também semelhantes.

"Não é uma relação tipo pai e filho. Eu o vejo como mentor e amigo, mas é engraçado. Ele é italo-americano que vem do bairro do meu pai, Queens, e tem a idade do meu pai. É engraçado."

O sucesso deles ajudou DiCaprio, que cresceu em Los Angeles depois de seus pais se divorciarem quando ele era pequeno, a conseguir fazer um filme ser financiado graças exclusivamente a seu nome.

Essa valorização de DiCaprio como um dos atores principais de Hollywood - ele consegue comandar pelo menos 20 milhões de dólares por alguns filmes - o vem ajudando a subir nas fileiras de Hollywood, passando de mero ator a produtor de cinema.

"O fato de ser visto como uma boa aposta financeira é importante. Eu descobri isso realmente quando tive a sorte de conseguir ser visto assim, depois de 'Titanic'", disse ele. "Ser capaz de financiar filmes é uma posição boa para se estar. Não vou mentir."

Circulam rumores de que DiCaprio estaria sendo cogitado para dois outros filmes possíveis de Scorsese, incluindo uma cinebiografia de Frank Sinatra. DiCaprio disse que essa possibilidade ainda está em aberto.

Mas, se o diretor o convocar, é pouco provável que ele diga "não". "Confio no gosto dele", afirma DiCaprio.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG