nas organizações - Brasil - iG" /

O ´burnout nas organizações

O ´burnout nas organizações Por Rui Bocchino Macedo A Síndrome de Burnout, também conhecida como Estresse Ocupacional ou Síndrome de Esgotamento Profissional, é um distúrbio psíquico causado por esgotamento físico e mental intenso associado ao trabalho. O termo Burnout vem do inglês burn, de queimar, e out, de exterior.

Agência Estado |

A expressão inglesa designa algo que deixou de funcionar por exaustão de energia, como uma combustão intensa. O termo passou a ser usado nos anos 70 pelo médico norte-americano Freudenberger para se referir às pessoas que "se queimavam" excessivamente devido ao trabalho assistencial, a ponto de ter um desgaste intenso de energia e recursos.

Esta doença ocupacional tem origem na constante e repetitiva pressão emocional associada com intenso envolvimento com pessoas por longos períodos de tempo. Várias foram as análises feitas por pesquisadores sobre a patologia. A mais influente definição de burnout foi desenvolvida por Maslach e Jackson em 1986, incluindo três componentes: exaustão emocional, despersonalização e redução da realização pessoal.

A exaustão emocional produz uma sensação de esgotamento, de falta de energia e de recursos emocionais próprios para lidar com as rotinas da prática profissional. A despersonalização são os sentimentos e as atitudes negativas que a pessoa provoca nos colegas de trabalho. Já a falta de realização pessoal faz com que o trabalhador perca o sentido da sua relação com o trabalho, de forma que as coisas não lhe importam mais e qualquer esforço lhe parece inútil.

A Síndrome do Burnout tem atingido um número cada vez maior de pessoas, acometendo praticamente todos os tipos de profissionais. Segundo pesquisas feitas em 2008 pelo International Stress Management Association, associação que desenvolve pesquisas voltadas para o estresse, cerca de 30% dos trabalhadores brasileiros são portadores da doença. Os profissionais mais vulneráveis à síndrome são aqueles extremamente exigentes e perfeccionistas, e que não medem esforços para atingir bons resultados.

Por se tratar de um esgotamento emocional intenso, esta síndrome, em alguns casos, pode se confundir com estresse ou depressão. Porém, sua característica mais marcante é a dedicação exagerada à atividade profissional. A pessoa sente desejo de ser o melhor funcionário, demonstrar alto desempenho. Quando não é reconhecido, a satisfação acaba se transformando em compulsão.

A síndrome causa depressão, irritabilidade exagerada, impaciência, falta de concentração, falhas de memória, perda de qualidade das relações pessoais, queda de produtividade profissional, sintomas físicos de estresse (cansaço e mal-estar em geral), baixa autoestima, dentre outros.

Em um primeiro momento é preciso observar fatores como falta de vontade de ir trabalhar e sintomas físicos como dores nas costas, pescoço e coluna, sem causas específicas. Em um segundo momento, começa-se a deteriorar o relacionamento com outras pessoas. Daí surgem doenças psicossomáticas, como alergias e picos de hipertensão. Detectados esses sintomas é bom procurar imediatamente um médico.

O tratamento mais indicado é o acompanhamento psicológico contínuo. A pessoa tem que aprender a interpretar suas emoções e seu comportamento de modo adequado, refletir sobre como lidar de uma maneira melhor com sua vida.

Como ela está diretamente ligada ao ambiente de trabalho, as empresas também podem ajudar. Criar ações para favorecer um bom clima corporativo e aliviar o estresse, propiciar condições adequadas ao desenvolvimento das atividades, investir em treinamento, ter clareza nas avaliações de desempenho e respeitar o cumprimento das férias são algumas medidas que a corporação pode incorporar.

E não custa lembrar algumas dicas de como prevenir esta síndrome. Peça ajuda para resolver seus problemas, não tenha medo ou receio de expor suas fragilidades, repense seu perfeccionismo, delegue funções para não se sobrecarregar, organize sua rotina de trabalho e invista em lazer, vida social e atividade física.

* Rui Bocchino Macedo é especialista em Medicina do Trabalho do Lavoisier Medicina Diagnóstica / DASA.- www.lavoisier.com.br.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG