A atriz brasileira Sandra Corveloni encheu de orgulho o país ao ganhar, no dia 25 de maio deste ano, o prêmio de Melhor Atriz do Festival de Cannes por seu papel no filme Linha de Passe, assinado por Walter Salles e Daniela Thomas.

A atriz e diretora teatral Sandra Corveloni nasceu em São Paulo, em 1965.

Formou-se no curso de teatro avançado do TUCA (Teatro da Universidade Católica de São Paulo - Puc-SP), entrando, no ano seguinte, para o grupo Tapa, onde, além de atuar, é professora e assistente de direção.

Seus principais trabalhos no teatro são "As Viúvas", de Arthur Azevedo, "Contos de Sedução", de Guy de Maupassant, e "Órfãos de Jânio", de Millôr Fernandes.

No cinema, Sandra Corveloni atuou nos curtas "Flores Ímpares" (1992), de Sung Sfai, e "Amor" (1993), de José Roberto Torero.

No teatro, tem como projeto o espetáculo "Amargo Siciliano", inspirado em contos de Luigi Pirandello, em que é assistente de direção de Eduardo Tolentino.

Sandra passou, assim, a integrar uma lista importante, a dos brasileiros que venceram em Cannes:

- 1953: "O cangaceiro", de Lima Barreto, melhor filme de aventura

- 1962: "O pagador de promessas", de Anselmo Duarte, Palma de Ouro

- 1967: "Terra em transe", de Glauber Rocha, prêmio da Federação Internacional de Imprensa Cinematográfica (Fipresci)

- 1969: melhor direção: Glauber Rocha com "O dragão da maldade contra o santo guerreiro"

- 1977: "Di Cavalcanti", de Glauber Rocha, Prêmio especial do júri (melhor curta-metragem)

- 1982: "Meow", de Marcos Magalháes, melhor curta de animação

- 1986: Fernanda Torres, melhor atriz com "Eu sei que vou te amar"

- 2002: "Um sol alaranjado", de Eduardo Valente, prêmio Cinéfondation para filmes universitários

- 2008: Sandra Corveloni, melhor atriz; "Muro", do diretor Tião (pseudônimo de Bruno Bezerra), ganhou o prêmio Regard Neuf (Olhar Novo) na mostra paralela

jmr/cw/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.